Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Sê grato

image.jpeg

Sê grato. Pela vida. Sobretudo pela vida. Pelas conquistas, pelas vitórias, pelas ambições concretizadas, pelos momentos felizes, pelas surpresas, pelas alegrias, pelas viagens, pelas descobertas, pelas leituras, pelas músicas que nos arrebatam a alma ou nos fervilham no corpo, pelas pessoas que conhecemos, pelas pessoas que ficam, pela saúde, pelo trabalho, pelos desafios, pelos sorrisos, por todos os sorrisos. Mas também pelas derrotas, pelas desilusões que viram lições, pelos momentos menos bons que ensinam, pela raiva que nos move, pelas lágrimas, pela revolta, pela perda, pelos dias sem cor que se arrastam sem sentido... Sê grato. Todos os dias. Pela vida. Sobretudo pela vida. #diamundialdagratidão

Então o que tens andado a ler?

1507-1.jpg

Deixando o marido em Florença, Elena volta a Nápoles para viver com Nino Sarratore, esperando que este se separe da mulher. É agora uma escritora reconhecida e procura escapar ao ambiente conflituoso do bairro onde cresceu e a sua família continua a viver. Evita encontrar Lila. Mas as duas amigas de infância não conseguem manter-se distantes e acabam mesmo por engravidar ao mesmo tempo, o que lhes permite reencontrar, por algum tempo, a passada cumplicidade.

 

Momento literário de infelicidade: acabei a tetralogia da Ferrante! Que maravilha de livros! Haverá alguém capaz de não os ter adorado? Haverá alguém que não acredite que a Lina e a Lenu se tornaram personagens literárias imortais que todos nós adoramos? 

Dos quatro volumes, talvez o terceiro tenha sido aquele que considerei menos fantástico, mas estamos perante uma grande obra. Ve realmente a pena cada página!

1507-1 (1).jpg

 

Como é que enfrentamos o envelhecimento das pessoas que amamos? Apesar de trabalhar há anos como cirurgião, Atul Gawande só se apercebeu até que ponto estava mal preparado para lidar com a morte quando foi confrontado com a decadência do pai. Estaria o pai disposto a viver até onde fosse medicamente possível? Ou só enquanto tivesse qualidade de vida? E em casa ou num lar? O que era realmente importante? As respostas, não lhe eram dadas por uma ciência cada vez mais desumanizada. A medicina, com todos os extraordinários progressos tecnológicos, tem vindo a centrar-se cada vez mais em (apenas) manter os pacientes vivos. O coração falha? Há cirurgias, próteses e transplantes. O resto pouco importa. Na pior das hipóteses o paciente volta ao bloco operatório para nova intervenção. Esquecida fica assim a vida nos intervalos das consultas e cirurgias. No entanto, conforme defende Gawande, devemos encarar a medicina como uma forma de prolongar a qualidade de vida. Existem geriatras, lares, hospitais, unidades de cuidados paliativos que oferecem aos pacientes dignidade, auto-estima, autonomia. Provam que o fim pode ser (re)escrito de outra maneira – muito mais feliz. Leitura obrigatória para quem envelhece ou testemunha a velhice, "Ser Mortal" é o melhor e mais pessoal livro de Atul Gawande. Filosófico por vezes, comovente quase sempre, é a corajosa narrativa de um médico que conhece os limites da ciência, mas também o modo como ela nos pode servir melhor.

 

Um livro não sobre a morte, mas sim sobre o que antecede a morte e a melhor forma de nos prepararmos para ela. Absolutamente obrigatório para todos os profissionais de saúde, para todos os que trabalham com pessoas em final de vida e para todos nós, seres mortais. 

 

1507-1 (2).jpg

 

Durante o dia, Judith Rashleigh trabalha numa prestigiada leiloeira de Londres. Ambiciona uma carreira no mundo da arte e, apesar das origens humildes, tornou-se uma mulher sofisticada.
Para fazer face às despesas, aceita trabalhar durante a noite como acompanhante num dos bares da capital. Mas depressa o sonho de uma vida luxuosa se desmorona.
Desesperada, acompanha um dos clientes do bar numa viagem. Após um acontecimento que marca o seu destino, Judith envereda por um caminho violento e tortuoso. Assistimos à ascensão de uma mulher à margem da lei e da moral, segura do seu rumo.
Mas mais do que possível, será a redenção desejável?
Maestra de L.S. Hilton é o thriller mais chocante do ano.

 

Este foi leitura de férias e ainda bem que o guardei para essa altura, pois não faz de todo o meu género. Pareceu-me uma mistura de thriller com 50 sombras de Grey, mas que deixa muito a desejar. Estava a contar com algo dentro do género de "A viúva", que li nas férias de Julho, ou de "A rapariga no comboio", mas ambos são bem melhores que esta Maestra. 

Liv01040635_f.jpg

À primeira vista, Ove é o homem mais rabugento do mundo. Sempre foi assim, mas piorou desde a morte da mulher, que ele adorava. Agora que foi despedido, Ove decide suicidar-se.
Mal sabe ele as peripécias em que se vai meter.
Um jovem casal recém-chegado destrói-lhe a caixa de correio, o seu amigo mais antigo está prestes a ser internado a contragosto num lar, e um gato vadio dá-se a conhecer.
Ove vê-se obrigado a adiar o fim para ajudar a resolver, muito contrariado, uma série de pequenas e grandes crises.
Um Homem Chamado Ove é um livro simultaneamente hilariante e encantador. Fala-nos deamizades inesperadas e do impacto profundo que podemos ter na vida dos outros.

 

Segunda leitura de férias. Não sei porque o comprei. Talvez tenha sido o fato de existir um gato no livro. Estava com receio que entrasse na onda da "auto-ajuda", mas conseguiu ficar longe disso (embora sem fugir completamente). E eu fiquei a adorar o Ove, não só porque adoro velhos rezingões, mas sobretudo porque com o mau feitio que tenho, também eu serei sem qualquer dúvida, uma velha bem mais rezingona que o Ove. 

Leitura levezinha, que nos prende, com momentos de humor. Boa escolha para férias. 

Descobri também que foi realizado um filme baseado neste livro que estou muito curiosa para ver. 

 

Viver

image.jpeg

 

VIVER* [É estar com quem a gente gosta. É trocar mensagens. É viajar por entre cidades e abraços. É um festival de música. É a sensação de fazer valer cada segundo. É quando a gente aprende a existir do jeito certo. É criar passados, viver presentes e inspirar futuros. É não sentir em vão.] *produto com prazo de validade. Aproveite. #João Doederlein

Assim fácil, sorrisos

image.jpeg

 

Tudo na vida precisa de vez em quando de uma mudança (e logo eu que detesto rotinas!). Há vários meses que olhava para o meu centro de dia e não gostava do que via. A frase "preciso de mudar isto" não me saía da cabeça. Resolvi partilhá-lo com a minha equipa que automaticamente concordou comigo e se disponibilizou para me ajudar. Assim, ontem pusemos mãos à obra e mudamos totalmente a disposição e decoração do interior do nosso centro. Saímos de lá todas mais leves e satisfeitas. Mas o importante era a reação que hoje os meus velhinhos iam ter à mudança. Confesso que tinha algum receio, não só porque conheço bem o grupo que tenho, mas principalmente porque todo o idoso é avesso à mudança. Um a um foram chegando hoje e eu corria sempre para a sala para lhes avaliar a reação. Contra todas as minhas expectativas, todos adoraram!!! Entre "parece outra casa", "isto até cresceu", ou "só podia ser ideia sua" ou "a doutora não sabe estar parada", também houve espaço para "obrigada por se preocupar connosco" e todos, todos sem excepção me disseram o mesmo "fez bem doutora, quem muda Deus ajuda". Não sei se foi da simples mudança de disposição e decoração, mas hoje foi de longe dos dias mais animados que passamos naquele centro no último ano. Eles cantaram, dançaram, riram, gritaram, deram sugestões, não se chatearam com as mudanças de lugares e nem televisão quiseram ver. Eu não sei se realmente "quem muda Deus ajuda", mas sei que mais uma vez percebi que é preciso tão pouco para fazer alguém feliz. Sei que hoje passei o dia de coração cheio e sorriso rasgado. Sei que foi dos maiores boosts de energia e motivação que podia receber. E sei que por eles, pelos sorrisos deles e pelo brilho nos olhares tão apagados pela vida, valeu a pena. Valeu tanto a pena!

Karma

image.jpeg

 

"Não me preocupo com o futuro. Os japoneses têm a palavra karma. Significa: se é para acontecer, não há nada que eu possa fazer para impedir. Sei que o meu tempo é limitado. E daí? Tive uma boa vida."

Mais do que viver no presente e o presente, temos de ser capazes de viver o que a vida nos dá agora, sem anseios, medos e preocupação relativamente ao que o futuro nos reserva. Não é fácil. Não é. Cada vez é menos fácil até. Mas são estes medos e ansiedades que nos tiram a alegria do imediato e a capacidade de apreciar cada bocadinho desta nossa passagem por cá. É viver que conta. É viver que interessa. Viver vida com vida, cheia de vida e plena de vida (e isso também significa viver uma vida que às vezes nos surpreende e põe à prova). Para quando o fim estiver perto, e se tivermos tempo para pensar nisso, podermos dizer que vivemos. Não passamos pela vida. Vivemos a vida. Boa semana!

1 de Setembro de 2016 - um ano depois

image.jpeg

 

Há um ano atrás iniciei uma nova fase da minha vida profissional. Fui com medo, fui. Fui ansiosa, fui. Fui até algo desiludida e desanimada. Mas fui. Iria assumir a coordenação de um dos nossos centros sociais e isso assustou-me. Se a organização e responsabilidade são o meu forte, mandar não é para mim, não precisava de experimentar para confirmar. Mas experimentei. E rapidamente percebi que para correr bem ia ter de me entregar aquilo de corpo e alma, caso contrário tinha tudo para correr mal, pois iria-me me desiludir comigo acima de tudo. Era o único caminho. Foi o melhor caminho. Em pouco tempo as minhas expectativas foram superadas. Como em tudo na vida entreguei-me às minhas funções, à minha equipa e aos meus idosos, mas acima de tudo conquistei a vontade de "já que aqui estou vou deixar a minha marca". E assim tem sido ao longo deste ano. Tive momentos complicados, tive dificuldades, tive muitas desilusões, tive períodos em que a vontade de desistir foi gigante e assustadora. Tive. Mas tive sobretudo momentos felizes, de conquistas, objectivos cumpridos, sucessos e afetos, muitos afetos. Alimentei-me deles sempre que precisei e o barco continua a navegar. Um ano a liderar uma equipa. O tempo suficiente para confirmar que detesto dar ordens e perceber que "leading by example" é a única forma de liderar que conheço. Porque dizer "vão por ali" pode até ser mais simples e menos desgastante, mas "VAMOS por ali" parece me um caminho mais enriquecedor e, no final, mais positivo. Se eu e a minha equipa ultrapassamos os momentos difíceis foi porque fomos juntas; foi porque deixei o meu porto seguro hierarquicamente revestido para me fazer ao terreno de guerra; fomos juntas, comigo a orientar mas a lutar junto delas. Nunca serei a pessoa nascida para mandar, mas um dia de cada vez vou continuar a aprender e a crescer. Entretanto VAMOS continuar a dar apenas o melhor que temos e sabemos. Por nós e por aqueles que precisam de nós, porque no final de cada dia o que conta é a certeza de que estivemos presentes na vida de alguém que precisou.

E então o que tens andado a ler?

1507-1.jpg

  Numa passagem pela secção juvenil da FNAC descobri o livro que deu origem à série de desenhos animados que mais marcou a minha infância. Não estava à espera de ser completamente absorvida pelo livro! Para quem, como eu, viu e viveu toda a série com imenso entusiasmo, o livro tem um sabor ainda mais especial, já que percebemos que a série foi uma reprodução fiel do livro. Não consegui dissociar as personagens do livro das personagens dos desenhos animados, de maneira que cada diálogo e cena tinha na minha cabeça as imagens, os sons, as paisagens e até a voz do narrador! Devorei-o! Nada mais que isso! 

 

image.jpg

   Na mesma passagem pela FNAC trouxe este "2084 - O fim do mundo". Nunca tinha ouvido falar, do livro ou do autor, mas o facto de "criar" um mundo futuro onde o Estado Islâmico dominou por completo tudo e todos foi o suficiente para me convencer de imediato. O enredo é mesmo esse: uma personagem que vive num mundo completamente fechado e radical, cheio de proibições e rituais, mundo esse que é uma suposição do que poderá ser um mundo dominado pelos Islâmicos radicais. Uma metáfora interessante, que nos deixa a pensar que aquela ficção poderá mesmo acontecer um dia, o que trará consequências ainda mais devastadoras do que as narradas no livro. 

 

CAPA_sindrome-de-antuerpia.jpg

   Autor completamente desconhecido para mim. Li algo sobre este livro há algum tempo, enquanto sugestão de leitura da escritora Margarida Rebelo Pinto. Estava com vontade de algo que falasse a nossa língua, por isso pareceu-me a altura ideal para ler este livro. Um acontecimento, meia dúzia de personagens, um suspeito, um segredo e um povo que sabe guardar os segredos da sua terra.

   Não o considero um grande livro, mas é um livro que facilmente nos agarra e no qual identificamos claramente características de um povo e uma povoação portuguesas. Confesso que por diversas vezes me deixou com a sensação de estar a ler algo de José Luís Peixoto...pelas personagens, pelo enredo, pela terra onde se passa a acção, pela escrita... talvez um livro mais ligeiro que os desse autor, mas claramente com características semelhantes. 

 

(Nos entretantos e transversal a todas estas leituras, vou continuando a ler aos poucos "O Fim do Homem Soviético", que é um livro interessante mas que para mim e pelas suas características de "documentário", por falta de uma história com começo e vontade de descobrir o fim, não dá para uma leitura contínua.)

Está tudo certo

"Os horizontes de Anne tinham-se reduzido desde aquela noite em que ela viera sentar-se ali, depois do regresso do colégio, mas, se o caminho que se estendia diante dos seus pés tivesse de ser estreito, ela sabia que seria semeado de flores de felicidade serena: os prazeres do trabalho honesto, das aspirações legítimas e das amizades verdadeiras pertenciam -lhe; nada a poderia privar do seu direito inato à fantasia nem do seu mundo ideal dos sonhos. E havia sempre a curva da estrada. - Meu Deus, está tudo certo! - murmurou Anne docemente."

É só isto que conta

image.jpeg

 

Quando aquele meu utente esquizofrênico, com um total embotamento afetivo, que nunca demostra emoções ou sentimentos e começou a sorrir à menos de 2 meses hoje me interpelou a meio de uma tarefa e outra para me dizer "Doutora, eu aprecio muito a sua pessoa e a sua companhia" e esboçou um rasgado sorriso de menino, o meu dia, a minha semana, o meu mês ficou ganho. Porque é só isto que conta. E porque isto, que parece tão banal e tão simples mas que representa uma conquista imensa, é a maior das recompensas que podemos ter e a plena certeza de que, mesmo nos dias maus, de dúvidas, revolta e cansaço, estivemos lá e fizemos valer a pena. É isto que me faz crescer. É isto que me faz ser. É isto que me motiva diariamente. E é isto que me faz ter a certeza que descobri um dos motivos para fazer parte do mundo dos meus velhinhos. Com pequenos gestos, com palavras, com um sorriso, com um toque. Podemos não mudar o mundo inteiro, mas podemos com toda a certeza fazer a diferença no mundo de alguém e com isso deixar a nossa marca no mundo! Façam por isso!

É a vida que segue e não espera pela gente

image.jpeg

 

"A vida está confinada a limites, apenas se dispõe de um tempo determinado, em suma, vive cortada em fatias sem ligação entre si, a não ser aquelas que o homem arrasta consigo de uma ponta à outra do seu percurso, lembranças incertas do que foi e esperanças vagas do que será. A passagem de uma a outra não é clara, trata-se de um mistério, um dia o belo bébe dorminhoco inveterado desaparece, coisa que não assusta ninguém, é uma criança turbulenta e curiosa, um lego, surge no seu lugar, o que não surpreende a mãe que dá por si com dois seios pesados e inúteis. Mais à frente, têm lugar outras substituições igualmente sub reptícias, um homem bem fornido e ansioso substituirá repentinamente o jovem esbelto e sorridente que ocupava o seu lugar e, por sua vez, não se sabe por que passe de mágica, o varão enfermiço cederá o lugar a um homem curvado e taciturno. É no final que nos espantamos, quando um morto ainda quente substitui repentinamente o velho mudo e frio colado a uma cadeira em frente a uma janela. É uma transformação que está a mais, mas que é por vezes bem-vinda. A vida passa tão depressa que não se vê nada, diremos a caminho do cemitério. " ("2084", Boualem Sansal)