Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Sejam felizes e boa semana

"Começo a pensar que o paraíso não é a felicidade eterna. É mais uma questão de haver algo eterno na sensação de felicidade. Não existe vida eterna, porque nunca iremos passar à frente do tempo, mas se formos felizes conseguimos fugir ao tempo, porque nessa altura o tempo não tem importância." 💙 #jonathanfranzen

Ler: Atos Humanos, Han Kang

1507-1.jpg

Lembram-se da "Vegeteriana"? Um livro forte, carnal e diferente de tudo o que já tinhamos lido? Han Kang voltou, com um romance que não é romance, de tão cheio de realidade que está. Este é dos cruéis. Dos humanamente cruéis. E dolorosos. E duros.

 

É possível testemunhar que me enfiaram repetidamente na vagina uma régua de madeira com trinta centímentros, até à parede superior do útero? Que forçaram o colo do meu útero com a coronha de uma espingarda? Que como a hemorragia não parava e eu entrei em choque, tiveram de me levar para o hospital para receber uma transfusão? Que continuei a perder sangue durante os dois anos seguintes e que se formou um coágulo numa das minhas trompas que me deixou para sempre a impossibilidade de ter filhos? É possível testemunhar que fiquei com uma aversão patológica a qualquer contacto físico, principalmente com homens? Que o simples fato de os lábios de alguém tocarem ao de leve os meus, de as suas mãos passarem pelo meu rosto, e até de um olhar casual subir pelas minhas pernas no verão era como se estivesse a ser cauterizada com um ferro em brasa? É possível testemunhar que acabei por desprezar o meu corpo, a matéria física de que sou feita? Que destruá voluntariamente qualquer manifestação de carinho ou de afeti cuja intensidade fosse mais do que conseguia aguentar e fugia? Para um sítio mais frio, um sítio mais seguro. Só para continuar viva.

Comunicado

IMG_6578.JPG

 

Meu querido abacate, tu sabes que eu te adoro, de toda e qualquer forma, ao natural, no pão, no iogurte, na salada, ou como quer que seja, não fosses tu um gorduroso alimento da moda, do bom, do bem e do fit. Acontece que, vá lá o diabo ou quem quer que seja que gere o além dos abananares saber porquê, me causas umas dores de estômago brutais menos de 10min depois de te ingerir e que ficam para todo o dia. E como se isto não chegasse, às vezes também há direito a manifestação intestinal pouco simpática. Eu bem tentei, tu sabes que tentei e insisti e gostava mesmo de perceber o porquê de não sermos compatíveis, mas hoje, a metade de ti que comi ao pequeno almoço foi a nossa última vez. Definitivamente. Sei que me vai custar mais a mim do que a ti, sei que nem vais sentir a minha falta pois há mais quem te adore, mas na vida há que reconhecer quando as coisas não estão bem e claramente as coisas entre nós não estão a funcionar. Por isso, em meu nome e em nome do meu estômago, adeus. Nem sequer é um até já. É um adeus. Um sofrido e sentido adeus. 😢🥑 Já agora, alguém me consegue explicar o porquê desta intolerância do meu estômago ao abacate?

Atualizando as minhas leituras de Agosto

1507-1.jpg

Estamos em 2016 e no mundo de Tom Barren a tecnologia solucionou os grandes problemas da humanidade: não há guerra, nem pobreza, nem abacates pouco maduros. Infelizmente, Tom não é um homem feliz. Perdeu a rapariga dos seus sonhos. E o que é que uma pessoa faz quando está de coração partido e depara com uma máquina do tempo? Faz uma estupidez.

Agora Tom dá por si numa realidade paralela aterradora (que nós reconhecemos logo como sendo o nosso 2016) e só pensa em corrigir o erro e voltar para casa. Mas é então que descobre uma versão encantadora da sua família, da sua carreira e de uma mulher que pode muito bem ser a mulher da sua vida. Tem agora de enfrentar uma escolha impossível. Regressar para a sua vida perfeita, mas pouco emocionante, ou permanecer na nossa realidade, um mundo caótico, mas onde terá ao seu lado a sua alma gémea. À procura da resposta, Tom é levado numa viagem pelo tempo e pelo espaço, tentando perceber quem é de facto e qual será o seu futuro.

Cheio de humor e emoção, um livro inteligente e caloroso que é uma poderosa história de vida, de perdas e de amor.

________________________________________________________

Este livro surpreendeu-me logo desde a primeira página devido ao tema que aborda, totalmente futurista e do domínio do imaginário. Viagens no tempo...tão "simples" quanto isto. Viagens no tempo e uma história de amor no tempo e uma personagem principal masculina que anda para trás e para a frente e que tem vários "eus". Em certas partes não é um livro muito apelativo, porque tenta explicar demasiado essa possibilidade das viagens no tempo, mas no geral é um bom livro. Diferente. Diferente.

1507-1.jpg

A jovem Anna recusa-se a comer e, apesar disso, sobrevive mês após mês, aparentemente sem graves consequências físicas. Um milagre, dizem. Mas quando Lib, uma jovem e cética enfermeira, é contratada para vigiar a menina noite e dia, os acontecimentos seguem um diferente rumo: Anna começa a definhar perante a passividade de todos e a impotência de Lib. E assim se adensa o mistério à volta daquela pobre família de agricultores que parece envolta num cenário de mentiras, promessas e segredos. Prisioneira da linguagem da fé, será Ana, afinal, vítima daqueles que mais ama? Um drama intenso sobre os perversos caminhos do fundamentalismo, mas também sobre como o amor pode vencer o mal nas suas mais diversas formas. 

____________________________________________________________

Aviso já: este é dos bons!

Da mesma autora de "O quarto de Jack", outro livro absolutamente delicioso, voltamos a uma criança como personagem principal, mas desta vez uma criança que se recusa a alimentar-se. É sobretudo uma excelente visão de como a fé se pode tornar algo doentio e louco e de que as nossas convicções fazem tudo por nós. De bom e de fatal.

Bom. Muito bom mesmo.

1507-1.jpg

 

Mantido em perfeito estado de conservação pelas águas glaciais do mar do Norte, repescado por uma traineira e depois descongelado, Napoleão Bonaparte regressa à vida no momento dos atentados jihadistas de Paris, mesmo a tempo de salvar o mundo… Desde François Hollande até às bailarinas de cancã do Moulin Rouge, ninguém ficará indiferente!

A Europa do século XXI vive assolada pelo medo, que não conhece fronteiras e que se respira em Paris como um pouco por todo o lado. Será mais difícil ao Imperador habituar-se a este novo paradigma do que à recém-descoberta Coca-Cola Light, delicioso champanhe negro, que não só não lhe tolda o raciocínio como faz ainda maravilhas à sua célebre úlcera; mas será em direção a Raqqa, a capital do autoproclamado Estado Islâmico, que o seu Novo Grande Exército irá marchar.

Romain Puértolas reage aos tempos sombrios, que são os nossos, com uma generosa dose de humor e esperança, num livro que é uma aventura mas também um desafio: não ceder ao medo e não esquecer que a palavra e a gargalhada são as armas mais eficazes contra toda e qualquer violência.

__________________________________________________________

Resumindo: e se Napoleão Bonaparte voltasse e acabasse de vez com o Estado Islâmico sem derramar uma ponta de sangue? Era bom não era? Assim simples, mas com muito humor e boa disposiçao...Era! E este livro é uma delícia, tal como o era o anterior livro do mesmo autor "A incrível viagem do faquir que ficou preso num armário do IKEA".

Uma excelente opção para uma leitura ligeira e mas que nos prende desde a primeira página!

A-Sul-da-Fronteira-A-oeste-do-Sol.jpg

Na primeira semana do primeiro mês do primeiro ano da segunda metade do século XX, ao protagonista, que também faz as vezes de narrador, é dado o nome de Hajime, que significa «início». Filho único de uma normal família japonesa, Hajime vive numa província um pouco sonolenta, como normalmente todas as províncias o são. Nos seus tempos de rapazinho faz amizade com Shimamoto, com quem reparte interesses pela leitura e pela música. Juntos, têm por hábito escutar a colecção de discos do pai dela, sobretudo «South of the Border, West of the Sun», tema de Nat King Cole que dá título ao romance.
Mas o destino faz com que os dois companheiros de escola sejam obrigados a separar-se. Os anos passam, Hajime segue a sua vida. A lembrança de Shimamoto, porém, permanece viva, tanto como aquilo que poderia ter sido como aquilo que não foi. De um dia para o outro, vinte anos mais tarde, Shimamoto reaparece certa noite na vida de Hajime. Para além de ser uma mulher de grande beleza e rara intensidade, a sua simples presença encontra-se envolta em mistério. Da noite para o dia, Hajime vê-se catapultado para o passado, colocando tudo o que tem, todo o seu presente em risco.

_______________________________________________________________________

Não dá para fugir, volto sempre a Murakami, pelo menos enquanto tiver livros para ler!

Possivelmente dos Murakami que mais gostei. Bem simples, sem grandes fantasias tão típicas no escritor, uma possível história de amor se assim lhe quisermos chamar, mas acima de tudo o relato da vida de Hajime, personagem principal.

Á semelhança de todos os restantes, este não é um grande livro, mas dá vontade de o ler e se calhar é "só" esse o segredo de Murakami: escrever algo que não é inesquecível mas que não conseguimos deixar de ler.

 

Ir é o melhor remédio: Feiras Novas, Ponte de Lima

IMG_6343.JPG

Não sou pessoa de festas populares ou romarias ou outros festejos do género. Esse espírito "popular" e do povo não encaixa com a minha personalidade, muito pouco dada a confusões e aglomerados de gente, regados com músicas e ambientes que não têm nada com que eu me identifique. As Feiras Novas em Ponte de Lima, uma das maiores e mais conhecidas romarias do Norte do país, são uma excepção.

Há alguns anos fomos lá parar por curiosidade, mais para conhecer a terra do que propriamente a festa, mas a verdade é que gostamos daquilo e prometemos voltar. Como por norma estou de férias e fora nesta altura, só este ano conseguimos cumprir a promessa.

IMG_6278.JPG

 Já diz a música que "quem não conhece o Minho não conhece Portugal" e, de fato, em poucos lugares Portugal é tão tradicionalmente português como no Minho e, principalmente, numa romaria do Minho. Por ali respira-se "ser português" em cada canto. Milhares de pessoas nas ruas a falarem alto e dizerem palavrões (inevitavelmente português e do norte isto!), música tradicional portuguesa (e não a tradicional música pimba!), concertinas, muitas concertinas, ranchos, enchidos, queijos, presuntos, pão, vinho, muito vinho, barraquinhas a vender de tudo, tascas a rebentar pelas costuras, pessoas a comerem na rua à porta, carrosséis, cheiro a farturas e pipocas e em cada canto um grupo de pessoas totalmente desconhecidas até aquele momento a cantarem e tocarem "à desgarrada". É este espírito tão português, que difere tanto daquilo que eu sou mas que gosto muito de conhecer e sentir, que me faz voltar a Ponte de Lima nesta altura do ano.

IMG_6273.JPG

IMG_6284.JPG

 E porque nestas alturas não lugar para esquisitices e dietas, para entrarmos completamente no espírito, há que jantar numa das tascas mais conhecida de Ponte de Lima, onde não se serve nada que não seja frito e onde matei saudades de uma patanisca de bacalhau, que não comia há anos e que estava uma maravilha!

IMG_6307.JPGIMG_6310.JPGIMG_6311.JPG

Festas à parte, existem tantos outros motivos para visitar Ponte de Lima e o principal é ser mais uma bonita terra do norte de Portugal. Por isso, com festa ou sem festa, vale a pena passearem-se por Ponte de Lima e deixarem-se cativar pelo rio Lima e as suas belas margens.

IMG_6293.JPG

 

 

 

#lugares: Negra Café

IMG_5419.JPG

 

IMG_5421.JPG

 

IMG_5423.JPG

 

IMG_5424.JPG

 

IMG_5422.JPG

 

As redes sociais e as internets deram-me a conhecer este espaço e eu mal podia esperar por o conhecer e "provar". Recentemente aberto, o Negra Café é um daqueles espaços onde nos sentimos tremendamente bem mal entramos. Há conforto, calma e muito bom gosto em cada pormenor de uma decoração lindíssima.IMG_5427.JPG

 

IMG_5428.JPG

 

IMG_5429.JPG

 

p>

São vários os espaços onde podemos relaxar que este café oferece, é só escolher aquele em que nos sentimos melhor, seja no interior ou no exterior. O certo é que não conseguimos evitar sentir aquela sensação de que estamos em casa

IMG_5408.JPG

IMG_5409.JPG

IMG_5416.JPG

IMG_5421.JPG

IMG_5423.JPG

IMG_5424.JPG

.

Então e a comida??? Há opções para todos os gostos, para pequeno almoço, lanche ou refeições ligeiras é claro muitas bebidas com café. Os bolos são todos caseiros e feitos pela dona do espaço, há torradas, tostas, saladas e claro as smoothie bowls da moda. A que eu escolhi, Verde, de abacate, espinafres, banana e espirulina estava deliciosa e Ele também aprovou o bolo semifrio de café

IMG_5411.JPG

 

IMG_5412.JPG

Este será definitivamente um espaço onde irei voltar muitas vezes. Aliás, já estou a imaginar uma tarde de inverno fria e cinzenta, bem típica do Porto, um café com leite e uma torrada... Não deixem de visitar este lugar e verão que terão vontade de ficar...

Ir é o melhor remédio: Palácio da Brejoeira

IMG_5112.JPG

O Palácio de Brejoeira localiza-se bem perto do centro de Monção e data de início de século XIX, tendo passado por diversos proprietários, dos quais a última o habitou até 2015 (dá para imaginar alguém a viver nesta maravilha até há pouco mais de 2 anos???!!!).

Não sendo eu uma apaixonada pelas monarquias e por esse período da história, adoro palácios (costela Princesinha) e assim que percebi que este me andava a escapar e ficava a cerca de 1h30 do Porto, aproveitei o feriado de 15 de Agosto para me fazer à estrada e descobri-lo.

IMG_4978.JPG

A melhor forma de o conhecermos é com uma visita guiada. Existem 2 opções: a visita completa de 1h (interior do Palácio, bosques e adega), por 7,50 ou a visita mais curta de 30 min (só interior) por 5 euros. Ora se uma pessoa lá vai é para conhecermos tudo, por isso nem hesitamos! Relativamente à visita propriamente dita tenho a apontar o facto de ser muito rápida. O palácio tem interiores lindíssimos e uns bosques magníficos em volta e não temos oportunidade de os aproveitarmos e conhecermos devidamente. É sempre a andar! Até percebo que a afluência de turistas e as muitas visitas justifiquem este ritmo acelerado, mas deveria ser dada a hipótese de quem paga um bilhete poder ter "tempo livre" no exterior (não é permitido visitar ou permanecer nos jardins e bosque para além da visita).

Tirando isto, vale realmente a pena!

Infelizmente não é permitido tirar fotos do interior (também não consigo perceber bem porquê) mas facilmente encontramos imagens do seu interior na internet, do qual destaco a biblioteca (como não?) e o jardim interior. Alguns elementos decorativos e mobiliário são também muito bonitos.

6179021883_8d12f09998_b.jpg

palacio_brejoeira8.jpg

palacio-da-brejoeira.jpg

sds.jpgDepois o exterior: uma carrada de hectares de bosque e vinhas (vinho Alvarinho, como não podia deixar de ser nesta zona). Espaços absolutamente deliciosos nos quais apetece sentar e ficar e fotografar muito!

IMG_4973.JPGIMG_4987.JPG

IMG_4988.JPGIMG_4990.JPG

IMG_4991.JPGIMG_5080.JPG

   Se estão pelo norte do país este é um óptimo local para visitarem!

 

 

 

 

Ler: Ele está de volta, Timur Vernes

502x.jpg

Berlim, 2011. Adolf Hitler acorda num terreno baldio. Sente uma grande dor de cabeça. O uniforme tresanda a querosene. Olha à sua volta e não encontra Eva Braun. Nem uma cidade em ruínas, nem bombardeiros a riscar os céus. Em vez disso, descobre ruas limpas e organizadas, povoadas de turcos, milhares de turcos. E gente com aparelhos estranhos colados ao ouvido.
Começa assim o surpreendente primeiro romance de Timur Vermes, passado na Alemanha de Angela Merkel, 66 anos depois do fim da guerra. Hitler ganha nova vida. Na sociedade espetáculo, dos reality shows e do YouTube, o renascido Führer é visto como uma estrela, que uma televisão sequiosa de novidades acolhe de braços abertos. A Alemanha da crise, do Euro ameaçado, da austeridade, vê nele um palhaço inofensivo. Mas ele é real, assustadoramente real. E, passo a passo, maquiavelicamente, planeia o seu regresso ao poder - por via da televisão. Sátira ferocíssima a uma sociedade mediatizada, narrado num registo arrepiadoramente fiel ao Mein Kampf, tem tanto de romance político como de crítica de costumes. Afinal, a Alemanha de Merkel, dominadora, obcecada pelo poder e pelo sucesso, está pronta para o receber... e Ele Está de Volta.

_________________________________________________________________

   Este livro é muito giro. O princípio é simples: Hitler "acorda" na Alemanha de 2011 (não interessa como, o livro não o explica mas também não é esse o objetivo). Agora é só imaginarem o que seria Hitler na Alemanha de 2011 e serem capazes de atribuir uma certa carga humoristica a essa personagem, ao ponto de quase conseguirmos gostar dele!

   È um livro com uma compenente histórica e educativa até sobre aquele período da Alemanha nazi, mas é acima de tudo um livro muito bem imaginado e escrito.

 

Ir

IMG_5232.JPG

 

"Viajar... é viver o suficiente para se achar. É podar as próprias raízes. É brincar de ter asas. É máquina de fazer memórias. É desenhar um mapa com vivências. É atestar a imensidão do mundo. É pegar carona no vento. É perceber que a nossa casa é passageira, cidades são estações e nós somos o trem. É a gente conhecendo o mundo (ou o mundo conhecendo a gente?)" #joaodoederlein :::::::::::::::::::: Das coisas que mais prazer me dá nesta vida: viajar, passear, conhecer. Não preciso de ir para longe, não preciso de ir para lugares paradisíacos, só preciso de ir. Conhecer o mundo e apresentar-me ao mundo. Ir, ver, cheirar, fotografar e guardar na memória cada pedacinho descoberto. Hoje fui. E voltei de coração cheio e alma renovada para o resto da semana! Boas viagens e boa semana!

Porque a minha força é imortal

Porque a minha vontade tem o tamanho de uma lei da terra. Porque a minha força determina a passagem do tempo. Eu quero. Eu sou capaz de lançar um grito para dentro de mim, que arranca árvores pelas raízes, que explode veias em todos os corpos, que trespassa o mundo. Eu sou capaz de correr através desse grito, à sua velocidade, contra tudo o que se lança para deter-me, contra tudo o que se levanta no meu caminho, contra mim sempre. Porque a minha vontade me regenera, faz-me nascer, renascer. Porque a minha força é imortal. José Luís Peixoto