Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

«1984», George Orwell

1507-1.jpg

1984 oferece hoje uma descrição quase realista do vastíssimo sistema de fiscalização em que passaram a assentar as democracias capitalistas. A electrónica permite, pela primeira vez na história da humanidade, reunir nos mesmos instrumentos e nos mesmos gestos o trabalho e a fiscalização exercida sobre o trabalhador. O Big Brother já não é uma figura de estilo - converteu-se numa vulgaridade quotidiana.

________________________________________________________________

Este livro dispensa qualquer tipo de apresentação. Quem não o conhece? Intemporal e eterno, talvez um dos maiores clássicos da literatura. Andou a escapar-me durante muito tempo, pelo simples motivo de que tinha receio que fosse uma espécie de lição filosófica e demasiado descritiva/política sobre um mundo utópico. Como eu estava enganada! E como eu gostei disto!

Como é possível que em 1948 se escrevesse assim? Como é possível que em 1948 alguém idiealizasse o mundo de 1984, que afinal é tão semelhante ao mundo de 2016? Este entrou diretamente para a minha lista de "livros de uma vida". 

2 comentários

Comentar post