Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

os comentários

Depois disto

 

Apenas me ocorre um comentário: Huuummm, já acabou???

Mãozinhas a percorrerem-me os pés, as pernas, as costas, o pescoço, os braços, as mãos, os dedos das mãos, a barriga, a cabeça...Ok, Ok, a parte dos ombros foi a menos simpática, ao que parece devido a "umas tensõezitas" ali acumuladas (tensõezitas? Diminutivo?), mas os pés, as pernas, os braços, as costas, as mãos, os dedos das mãos...Huuummmm.

Boa vida desta precisa-se!

 

Up! - Altamente

 

   Altamente é o nome português do filme e poderá ser também comentário ao mesmo. A fórmula era perfeita para o sucesso: estúdios Disney - Pixar, um velhinho rabugento e solitário, mas apaixonado, sonhador e determinado, um miúdo "godinho" adorável e que fala sem parar na busca da sua medalha de explorador da natureza sénior, um cão à procura de um dono, um pássaro perdido e uma casa que levanta voo puxada por balões, tudo regado com muita cor e momentos de puro riso.  Isto, e muito mais, é que nos espera quando nos sentamos a assistirao novo filme de animação da Disney Pixar. Esta lá a magia, está lá a animação, está lá a diversão, está lá a lição. E está lá o final feliz.

   Gostei. E fartei-me de rir!

 

   De referir também a curta-metragem exibida antes do filme. Partly Cloudy é o nome e apresenta-nos umas nuvenzinhas totalmente adoráveis que são as "fábricas de bébes" da Terra e as respectivas cegonhas que entregam os bébes aos seus progenitores. Questões pedagógicas à parte (não sou grande defensora do mito infantil "Os bébes vêm numa cegonha") é, a meu ver, das melhores curtas metragens da Pixar.  

 

Numa (verdadeira) tarde de Verão

...com muito sol e muito calor, nada melhor que "pegar" no namorado (na verdade, ele é que "pega em mim", já que o lovemobil é seu), na toalha de praia e no guarda-sol e lá vão eles rumo a uma praia carregadinha de gente, onde o francês se confunde com o português (a maior parte das vezes propositadamente). E não é que encontramos uma tarde de muito sol, calor totalmente suportável e (quase) total ausência de vento, em plena praia de Matosinhos (quem é do Norte, percebe muito bem esta minha admiração)?

   Sol, calor, amor e muitos sorrisos. Que mais podemos desejar para uma tarde de Verão?

(Foto retirada da Internet)

Make it happen

   Porque a dança sempre exerceu em mim um fascínio inexplicável, daqueles que nos libertam e nos transformam em nós mesmos.

 

 

 

Cenas do filme "Make it happen". Uma história mais que comum, mas com um ritmo incrível.

 

I want her moves!!!

 

Meu querido mês de Agosto

Sarah Jessica Parker

 

Agosto tem sido assim e assim continuará a ser (pelo menos, by night): eu, um computador, uma capa cor-de-laranja, uma montanha de folhas e fotocópias, um dicionário inglês-português e os meus dedos a martelar incansavelmente (!?! Ou assim o espero) no teclado negro do meu pc negro a 1ª parte da minha tese de mestrado, a ser entregue na primeira semana de Setembro.

Espera-se que o sol se lembre de brilhar um pouco mais e nos permite uns bons banhos de relax durante o dia.

Destino

«Destino pode ser vida, acaso, percurso, resultado, inesperado, previsível, tudo isto ou nada. Destino é sinónimo de História. História constrói-se, é fruto do homem, resulta dele, é traçada por ele. Com influência do meio, da sorte, do azar, de percalços e de somatórios. Mas não está escritaà anteriori. Escreve-se à medida que se vive, e só se escreve o que se vive. Destino não pode, pois, ser algo que já foi escrito. (...)

Destino é uma palavra. Tudo é destino. Pelo caminho da direita ou da esquerda, a escolha que fizermos será o destino. Não há que falhar. É uma ideia confortável e fácil. Acreditar no destino é uma fraqueza humana. Das mais primárias e arcaicas. O nosso percurso resulta do nosso destino. Com certeza, porque não? Mas se é "nosso" então podemos "ajudá-lo"...».

in "A cruz de Génio", de Sérgio Lorré

ausência

"A ausência é aquele fervor de rins que se sente alguns dias ao entardecer. A ausência é aquela substância amorfa que se instala nas nossas entranhas como um incómodo parasita, aquele veneno amargo que tem a cor opaca do vazio e a espessura remota do medo. A ausência é o desejo de sermos diferentes do que somos, o mais doloroso dos desejos, compreendes?

(...)

A ausência é um fogo que nunca termina de se extinguir e, por isso, o pior de todos os medos: a ausência é o medo à felicidade."

in «Bois e Rosas dormiam»