Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Que país é este?

 

   "Eu pergunto-me todos ou quase todos os dias: o que se passa com os portugueses? A imagem que eu tenho, e que me é dada pela comunicação social, é de haver uma dominante tão pequena, tão baixa, tão reles! Então, para não dizerem que não sou patriota, todos os dias me lembro da célebre frase do Almeida Garret: «A terra é pequena e a gente que nela vive tão não é grande». E porque não somos grandes? Porque não somos maiores do que aquilo que - tirando alguns momentos em que fazemos coisas notáveis, que não estavam no ´programa´- parece ser o nosso destino histórico? Porque nos resignamos tanto? Porque estamos nesta coisa do «quem vier atrás que feche a porta»? Ou, para usar uma linguagem mais grosseira: «Pelo tempo que hei-de estar no convento, cago-lhe e mijo-lhe dentro». E o convento é isto - a vida, o País, a relação social."

 

José Saramago, em entrevista.

A ler

 

Porque as suas palavras nunca são demais.

 

Um conjunto de entrevistas feitas ao escritor ao longo de vários anos e momentos. As suas palavras sobre os mais diversos aspectos da realidade. Um olhar incisivo, crítico, mas claro e preciso. Afinal, ele diz aquilo que nós só temos a coragem de pensar.

Espelho meu, espelho meu, haverá coisa pior que ficar doente em primeiros dias de saldo?

Scarlett Johansonn

 

 

   Haverá, haverá! E chama-se mãe!!! Melhor, uma mãe que vai aos saldos e chega a casa com uma saca cheia de coisas giras, daquelas que nos põem a pensar: "Eu era mesmo, mesmo filha para ter comprado aquilo!".

 

   Felizmente nem tudo são espinhos e uma ou outra coisita poderei pedir emprestado à mummy e passear-me com elas como se fossem minhas, com a vantagem de não ter gasto um cêntimo.

 

   Ainda assim, uma ida aos saldos vinha mesmo a calhar. Eu que até aproveitei um momento mais soft desta gripe e me dei a arrumações por gavetas e guarda-vestidos, a modos que preparando os aposentos para acolher uma ou outra nova peça de roupa. Melhores dias virão e quiça, com melhores preços!

Das conversas (e) das mulheres

 

   "(...) é a grande, interminável, conversa das mulheres, parece coisa nenhuma, isto pensam os homens, nem eles imaginam que esta conversa é que segura o mundo na sua órbita, não fosse falarem as mulheres umas com as outras, já os homens teriam perdido o sentido da casa e do planeta (...)."

 

José Saramago, Memorial do Convento