Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Constatação de final de semana...



   Após uma fase completamente doentia no que a leituras diz respeito, papando tudo o que me aparecesse, desde há uma semana que entrei em modo slow motion. Basicamente abro o livro, à noite, na cama ou sofá, e pouco mais de 2 páginas depois estou a dormir. 

   Ando estupidamente cansada nos últimos dias. Estupidamente, mesmo. 

 

Coisas a reter do jantar de beneficência 2014




  1. Este vestidinho comprido da Zara foi sem dúvida o meu preferido de todas as edições (e já lá vão 4!).

  2. O novo Bispo do Porto, que até me abençoou no final do jantar, é um castiço a falar, mas não me parece ser capaz de cativar tanto quanto o fazia Manuel Clemente.

  3. Foram precisos 4 jantares para eu me aperceber que o Chef Hélio Loureiro, que é presidente da nossa liga de amigos e o "nosso cozinheiro" (sim, porque não é só a selecção nacional que o tem) tem um problema com os "erres" que se transformam todos em "egggs", saindo-lhe coisas como "porque quando eu peço para trabalhar, não pago". 

  4. Ainda o Chef Hélio e sem querer ofender ninguém, parecia-me um pouco...vá...alterado...perturbado...hummm...aquele discurso cheio de pausas e "egggsss" e piadas da selecção nacional...huummm...

  5. Se já contavamos com um Chef, juntamos-lhe agora uma nutricionista na nossa liga de amigos. Sim, a namorada do Vítor Baia, Dra. Andreia, que é gira que se farta e que me pareceu de uma simpatia contagiosa. Bem vinda e obrigadinha pela ajuda e já agora, consultas free para colaboradores, não?

  6. Vítor Baia foi a presença sensação da noite e sim, houve gente a pedir para tirar foto com ele, despachando a namoradinha das dietas. E com todo o respeito pelo Sr. Bispo Francisco, Vítor Baia é, nitida e indiscutivelmente, um claríssimo exemplo de envelhecimento activo e saudável... se bem me lembro dele na baliza do FCP, agora está mil vezes melhor. Esperemos que nos continue a visitar. 

Na cozinha: saladinha boa

Vamos precisar de:

  • Alface, rúcula, agrião e o mais que vos apetecer de folhas (as misturas embaladas dos supermercados são excelentes)
  • Queijo fresco
  • Frango grelhado ou atum
  • Abacate
  • Cogumelos
  • Cenoura ralada
  • Tostinhas para saladas
  • Sementes de girassol

E fazemos assim:

  • Misturamos tudo, temperamos com azeite e sal (no meu caso) e é só saborear.

   As saladas são daqueles pratos facílimos de preparar e que sabem sempre bem. Basicamente, é aproveitar o que temos em casa e juntar algum alimento mais consistente, tipo frango ou atum, quando a salada vai ser a única refeição. 

   Eu adoro, especialmente nos dias mais quentes!

Let´s have some fun & run

É já este sábado, dia 31 de Maio, que se vai realizar no Porto a primeira Fun Run. Não sei muito bem ao que vou, mas prometem ser os 4km (aquecimento para os 22km da proxima semana!) mais divertidos e espumosos de sempre, já que isto será uma espécie de corrida da espuma colorida, uma coisa parecida à tão falada color run, com canhões a lançarem espumas às cores, à beira-rio, um perfeito cenário de um episódio dos ursinhos carinhosos. Fui automaticamente convencida pelo factor "festa da espuma em modo running" e pela boa promoção para sócios Solinca. 

Quem vai?

O poder do amor (?!?)

   É este o nome do novo programa de Domingo à noite da Sic, a confirmar o absoluto degredo em que os canais generalistas se têm tornado. Sendo eu uma interessada por tudo o que envolve o comportamento humano, lá fui espreitar o dito programa e de imediato fiquei com duas grandes dúvidas: a primeira e mais racional é "quem, no seu perfeito juízo de director de programas, acha pertinente continuar a investir neste tipo de programas, que serão sempre, sempre, uma imitação do velhinho Big Brother, que já andou o que tinha para andar. E segundo, quem, também no seu perfeito juízo, acha que ir para um programa televisivo onde os fazem chafurdar na lama ou os fecham em cabines de baratas, é assim a maior prova de amor que podiam dar/ter? 

   Não consigo perceber o conceito destes programas que transformam sentimentos em jogos, onde até se aposta dinheiro na coragem, ou na "quantidade" de amor da cara metade. Afinal qual é o objectivo deste programa? Provar a confiança e o amor de casais através de espécies de jogos sem fronteiras? E como é que se vai descobrir o casal vencedor, que deverá ser aquele cujo amor terá mais poder ou força? O casal mais apaixonado é aquele que ganhou mais dinheiro nos jogos sem fronteiras do amor? 

   Estas coisas fazem-me confusão...é que eu ainda sou do tempo em que o amor era uma coisa a dois, só nossa, que até nem nos importavamos de mostrar ao mundo mas sem audiências ou apostas monetárias à mistura. Sou daquele tempo em que, apesar de muitos valores se terem começado a perder e as tecnologias estarem a substituir as relações humanas, as provas de amor eram assim coisas de nos cortar a respiração, não porque cheirassem a m****, mas porque tinhamos encontrado alguém capaz de dar a vida por nós. Sou do tempo em que a confianção numa relação era o seu pilar mestre e construída dia-a-dia, sem joguinhos e apostas ou baratas. E o mais estranho nisto tudo, é que eu sou deste tempo e preocupa-me que se reduzam relações humanas tão importantes e fundamentais como é o amor conjugal a meros jogos e programas televisivos. 

   Toca a amar de televisão desligada, que isso sim é viver!

Para todas e cada uma de nós, mulheres

Comandamos o mundo porque sabemos fingir tudo: que amamos quando sentimos asco, que não amamos quando ardemos em desejo, que temos prazer sem ter, que sofremos quando estamos a ser abusadas, mesmo que daí tiremos algum prazer. Conseguimos fazer crer que estamos prenhas sem estar, sabemos como nos livrar dos filhos indesejados e fazer com que isso pareça um acidente, sabemos calar-nos quando a sensatez o manda e espalhar as intrigas quando é do nosso proveito.

Somos nós que costuramos e que cozinhamos e, por isso, se quisermos envenenar alguém, sabemos como fazê-lo através da comida ou dos panos. Somos nós que amamentamos os homens quando eles nascem e eles precisam de nós para sobreviver. E somos nós que os geramos, que os parimos, que damos seguimento aos seus sonhos e ambições de sucessão. Somos as rainhas dos nossos lares, as senhoras dos nossos catres e dos nossos castelos. Sabemos agradar tão bem quanto desprezar. Conhecemos as fraquezas dos homens e fazemo-nos tontas perante eles para que os possamos manobrar melhor, como se manobra o boi no arado ou o cavalo montado. 

Sabemos em que dias podemos emprenhar e como contar as luas para enganar quem pretendemos. E quando ficamos à espera de um filho, apenas nós sabemos quem é o pai. Não admira por isto tudo que os homens mais astutos e mais sábios nos temam tanto. Nós somos as grandes feiticeiras do mundo, as senhoras do poder mais forte que é o poder do desejo, comandado pelo pecado mais perigoso, o da luxúria. Os filhos respeitam-nos e os homens temem-nos, mas ninguém nos entende, porque somos seres complexos, dúbios, dissimulados. Numa palavra, somos mulheres. 

"Minha Querida Inês", Margarida Rebelo Pinto

Na cozinha: Tarte de Maça 100% healthy

Vamos precisar de:
  • 4 maçãs (3 reinetas, de preferência)
  • 100g de aveia em flocos
  • Canela q.b.

E fazemos assim:

  • Cozemos as 3 maçãs reineta no microondas ou o fogão;
  • Desfazemos em puré e juntamos à aveia;
  • Misturamos até obter uma massa homogénea;
  • Colocamos uma forma de tarte e cobrimos com a 4ª maçã cortada aos gomos finos;
  • Polvilhamos com a canela 
  • Vai ao forno, pré-aquecido, cerca de 30 min. 

   Esta receita foi retirada da página de Facebook da "Dieta dos 31 dias" e temos aqui uma forma mais do que saudável que comer uma tarte 100% healthy, já que não leva farinha ou açucar. Para quem gosta de coisas doces, aviso já que se vai desiludir. Para quem, como eu, passa bem sem eles e adora maçãs, isto é uma maravilha e não pesa nada na balança!

   Experimentem!

Gosto cada vez mais de pedalar



(fotos da passeata de hoje - 15km up & down)

   Andar de bicicleta nunca foi daquelas actividades que mais gostasse, como aliás acontecia com praticamente todas as actividades físicas até há bem pouco tempo. Quando comecei a frequentar o ginásio "a sério", ou seja, quando percebi que treinar não era fazer pilates e zumba, pus automaticamente de lado as aulas de RPM - Então eu vou pagar uma mensalidade para me fechar 1h numa sala a pedalar feita maluca sem sair do sítio e sem ver nadinha para além do suor a saltar dos outros? E xperimentei e não é para mim...ou não era. Demorei 1 ano, mas voltei a uma aula de RPM em Janeiro deste ano e a verdade é que nunca mais parei. Para cumprir o meu objectivo de 2014 que é ganhar resistência física é excelente, desde que se faça à séria, isto é com carga suficiente para sairmos de lá mais molhados do que saímos duma piscina. 

   Paralelamente, o namorado, que desde o primeiro dia de ginásio faz RPM religiosamente, levou isto das bicicletas um bocadinho mais além e puxou por mim e lá fomos nós para a rua. Nos primeiros passeios, em que fazer 5 km já era de uma brutalidade infernal, ele tinha literalmente de puxar por mim e onde houvesse uma subida lá estava eu a descer da bicicleta e a empurrá-la subida acima. Hoje sou eu que lhe digo "este fim-de-semana vamos pedalar", não me contento com menos de 15km em cada passeio (há que adaptar a distância ao tipo de percurso, que isto de pedalar em estrada não é o mesmo que ir ali para a beira-mar pedalar como se não houvesse amanhã que as pernas nada sentem) e nunca me permito vacilar ou abandonar a bicicleta em qualquer tipo de subida! E é isto que mais me agrada: ver que hoje faço percursos de bicicleta que há uns meses julgava ser incapaz de fazer e, sobretudo, chegar a casa com a sensação e a certeza que ainda aguentava mais uns quantos quilómetros, sem qualquer mazela no dia seguinte. É tão bom sentirmos o nosso corpo capaz, forte, resistente e cheio de energia. E é tão fácil chegarmos lá!

   Bora pedalar?  

Viver com amor

«Conhecer o amor de um homem como aquele que Deus me concedeu através de Pedro é uma sorte tão rara como ter filhos perfeitos e saudáveis. E deve ser por isso que o mundo não nos perdoa: por sermos tão felizes, por termos alcançado o que o comum dos mortais nem sequer se atreve a almejar: amor, paixão, entendimento, uma casa, uma família, uma vida vivida na plenitude de um amor tão amigo. Ninguém consegue ser feliz com a alegria alheia. A felicidade é uma maldição cravada em carne viva no coração de todos aqueles que vivem sem ela, tal como o amor. Quem vive sem amor não consegue conviver com os apaixonados. E quem vive com amor já não consegue aprender a viver de outra maneira.»

"Minha Querida Inês", Margarida Rebelo Pinto

Pág. 1/4