Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Férias, com ou sem filhos?

Angelina Jolie & Brad Pitt

 

   Ouvi alguém suficientemente importante para falar num programa de rádio (!) dizer que nas férias os filhos (pequenos) devem ficar em casa enquanto os pais se estendem relaxados ao sol, ao que uma ouvinte prontamente acrescentou que férias com filhos não são férias e que, por isso, nas próximas a sua filha vai ficar em casa. Ora eu, alguém suficientemente importante para opinar num blog (!!!), não sei muito bem o que pensar sobre isto. Ou se calhar até sei e estou com medo de ser demasiado extremista. Na verdade, acho isso tudo muito bonito e viva aos tempos modernos e à emancipação parental, mas o que me faz cá uma certa confusão é perceber que, para aqueles pais, ainda que por um período de tempo reduzido e limitado e "especial", os seus filhos estão a mais, assim ao jeito de empecilho (peço desculpa aos mais sensíveis). ~

 

   Eu, que de maternidade percebo muito pouco e a quem esqueceram de injectar o espírito maternal, julgo que os filhos são um compromisso para toda a vida e ser pai e mãe não tira férias. Ou os queremos para sempre, 24h por dia, 7 dias por semana, 365 ou 366 dias por ano, ou não vale a pena querer-los.  Na minha definição de "pais" cabe apenas e só a descrição de quem não imagina a vida sem os seus filhos, de quem os filhos nunca estão a mais e de quem está disposto a fazer todos os sacríficios e mais alguns pelos seus filhos. Isso incluirá as férias, que pelos vistos passam a ser um sacríficio quando se lhes acrescentam os miúdos.

 

   Por outro lado, eu percebo aqueles pais. Não preciso de passar pela experiência para calcular que ser pai/mãe é talvez das missões mais difíceis com que o ser humano se depara ao longo da vida. E também não preciso de passar pela experiência para perceber que, em muitos momentos, muitos pais procurarão incansavelmente o botão "pause" que lhes permita voltar à realidade durante uns momentos. Eu até percebo que é possível "cansarmo-nos" de sermos pais. E é por perceber tudo isto que não me vejo nesse papel. Porque percebo o compromisso eterno, as implicações, as mudanças, as exigências e muito mais que ser pai/mãe exige e que eu, pela minha inexperiência, não sou sequer capaz de imaginar.

 

   Já me julgaram egoísta por esta minha posição; ah e coiso e tal, não és capaz de gostar de alguém para além de ti. Eu questiono-me: não será também egoísmo dizer "filho/a, o papá e a mamã vão de férias, goszar como gente grande, e tu ficas aqui, no mesmo sítio de sempre, a fazer as mesmas coisas de sempre e a aborreceres outro alguém que não nós, porque nós precisamos mesmo de férias, mas é de ti" (os mais sensíveis que me desculpem de novo).

 

   Se eu, numa hipótese muito remota, for mãe, vou querer o meu filho (espera-se que seja agraciada e me calhe no ovo Kinder uma menina que goste de vestidos e sapatos de salto alto desde o berço) sempre perto de mim. Durante a semana, em férias ou em fins-de-semana prolongados. Equaciono jantares românticos e fins-de-semana a dois, com a criança em casa dos avós, mas, provavelmente, nunca me iriam ouvir dizer "férias só com a criançada longe". É a pensar nestas e noutras coisas que desde sempre digo: "Eu não idealizo a minha vida com filhos". Egoísmo, falta de dedicação, whatever, atirem-me todas as pedras. A decisão de não ter um filho (também) é um acto de amor. E agora sim, podeis apedrejar-me.

  Mas se me permitis mais uma piquena sugestão antes do sangramento: vivam os vossos filhos, todos os dias.

2 comentários

Comentar post