Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

«Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra", Mia Couto

 


Um jovem estudante universitário regressa à sua ilha-natal para participar no funeral de seu avô Mariano. Enquanto aguarda pela cerimónia é testemunha de estranhas visitações na forma de pessoas e de cartas que lhe chegam do outro lado do mundo. São revelações de um universo dominado por uma espiritualidade que ele vai reaprendendo. À medida que se apercebe desse universo frágil e ameaçado, redescobre uma outra história para a sua própria vida e para a da sua terra. A Pretexto do relato das extraordinárias peripécias que rodeiam o funeral, este novo romance de Mia Couto traduz, de uma forma a um tempo irónica e profundamente poética, a situação de conflito vivida por uma elite ambiciosa e culturalmente distanciada da maioria rural. Uma vez mais, a escrita de Mia Couto leva-nos para uma zona de fronteira entre diferentes racionalidades, onde perceções diversas do mundo se confrontam, dando conta do mosaico de culturas que é o seu país e das mudanças profundas que atravessam a sociedade moçambicana atual.

____________________________________________________

 

   Eu avisei que estava curiosa por conhecer a obra de Mia Couto. Tal como em outras vezes, encontrei este livro em verão "pocket", por pouco mais de 6 euritos, e achei que era a forma ideal de começar. Li-o em pouco mais de 4 dias. Provavelmente não será dos melhores livros de Mia Couto, mas deu para aguçar a curiosidade. E acho giro, muito giro, essa tendência para inventar palavras que, mesmo sendo inventadas, fazem tanto sentido.

 

*E entretanto já li 3 livros enquanto "O rastro do Jaguar" avança devagar...não me está a prender a história...que vale não me pesa na consciência o que paguei por ele, já que o comprei por menos de 4 euros :)