Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

A importância de cada coisa

   No passado sábado realizou o passeio anual de colaboradores da nossa instituição. Este passeio já é uma tradição da instituição, mas nos últimos 3 anos foi interrompido principalmente enquanto forma de redução de custos, pelo que nunca tinha participado em nenhum. Tratando-se de um passeio com mais de 200 pessoas e cujo programa prometia um dia demasiado cheio que terminava com bailarico, estava um pouco reticente em participar, apesar de nunca ter posto a hipótese de não o fazer. Momentos destes, de convívio entre todos os colaboradores, convívio de igual-para-igual, independentemente da nossa categoria profissional (apesar de nem todos o conseguirem fazer), são importantes para o bem-estar pessoal e emocional dos nossos colaboradores e da própria instituição. É um dia diferente, sem obrigações, sem horários, sem cansaço , que corta totalmente a rotina diária. Mas acima de tudo, a existência deste dia, destes passeios e de tudo o que ele proporciona, desde o conhecer lugares diferentes, ao almoçar e jantar em hóteis mais ou menos chiques, passando pela convivência com todos os colegas, possibilita a muita gente a única oportunidade que têm de sairem das suas rotinas e das suas coisas. Isto porque cerca de 80% dos nossos colaboradores não técnicos superiores pertencem a uma classe média-baixa e até mesmo baixa (e muito baixa!), cujas vidas nem sempre são fáceis e cujas oportunidades de terem experiências destas não foram nenhumas. Se para muitos de nós ir até Aveiro andar de moliceiro é coisa para fazermos sempre que nos apetecer e ter um almoço tipo buffet num hotel de 4 estrelas é tudo menos surpreendente, para muitas das nossas colaboradoras isto é a mais bela das novidades e uma oportunidade única de conhecerem um bocadinho mais da vida e do mundo. E é nisto, nestas coisas que poderão até ser aborrecidas para alguns (confesso que para mim, ao final do dia, ao perceber que ainda faltavam tantas horas para aquele dia terminar, o passeio se tornou tudo menos divertido), que uma actividade como esta se mostra riquíssima do ponto de vista humano. A prova disto foi a completa paródia em que andaram todo o dia, com gritos histéricos e brincadeiras de adolescentes incluídas e muitas fotos para o facebook e, acima de tudo, os olhares brilhantes de todas elas (e desculpem ser tendenciosa, mas 99% dos nossos colaboradores são mulheres) no final da noite, depois de terem, todas elas sem excepção (e eu incluída por cerca de 30 minutos, porque é igualmente importantes envolvermo-nos com elas neste espírito de partilha), dançado sem parar durante mais de 3horas seguidas!

   Um grande bem haja à instituição por porpocionar aos seus colaboradores oportunidades destas.