Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Alimentação para a vida...

 

  Ontem durante a hora de almoço, estive a folhear o livro da Dra. Ana Bravo - "A Dieta Viva" - e achei-o bastante interessante. Sigo a página de facebook da Dra. Ana Bravo (#nutriçãocomcoração) há algum tempo e retiro de lá algumas dicas para a minha alimentação diária. Analisando assim "por alto" estas últimas dietas da moda e esta quantidade enorme de livros sobre o tema que têm sido lançados, este livro e o tipo de alimentação que sugere parece-me racional e longe dos excessos restritivos normalmente associados às dietas. Gostei acima de tudo do lema «O meu objectivo é ajudar as pessoas a adaptar a alimentação à sua vida e não a vida à alimentação», já que vai um pouco ao encontro do que eu penso acerca destas coisas.

   Longe de alguma vez ter feito (ou precisado) dieta para perda de peso, há cerca de 1 ano atrás achei que podia melhorar a minha alimentação, em prol do meu corpo, do meu bem-estar e, principalmente, da minha saúde, juntando-lhe uma boa carga de exercicio físico, é claro. Facilmente percebi que nisto da comida, o errado é pensar em obrigações/proibições. No meu caso, gradualmente me adaptei a uma nova alimentação (que vou traçando sozinha, pesqueisando aqui e ali e vendo o que realmente me satisfaz) e rapidamente me apercebi da principal conclusão: primeiro, a palavra dieta não significa pnão comer para perder peso e, segundo, o tipo de alimentação que fazemos acaba por ser um estilo de vida e não um programa temporário para atingir algum objectivo, o segredo é descobrir com o que é que nos sentimos bem. 

   Muita gente tem dificuldade em perceber quando eu digo que evito comer isto ou aquilo. Ou porque é para manter a linha, ou porque tenho a mania das dietas, ou porque simplesmente tenho a mania. O que elas não percebem mesmo e eu também não tenho pachorra para lhes explicar é que se eu evito comer isto ou aquilo (e não o "naõ como", porque não me proibo alimento nenhum) é porque, simplesmente, não quero comer isto ou aquilo, porque me sinto bem sem isso e porque descobri que se substituir isso por algo bem mais saudável me sinto igualmente satisfeita e bem comigo e com o meu corpo. E com uma correta alimentação, conjugada com um bom plano de exercicio físico, as mudanças no nosso corpo (e na nossa saúde) são visíveis e inegáveis e, acima de tudo, facéis de manter.

   Uma dieta é mesmo isto, um estilo de vida, um adaptar da alimentação à nossa vida, às nossas necessidades e aos nossos desejos de gula. Não é radicalismos ou paranóias do tipo "não como hidratos de carbono" (não me aguentava sem eles!); é ser capaz de comer de tudo o que nos agrada e saber que há escolhas que podemos fazer, deliciosas, e que tornam tudo bem mais leve.