Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

I`m just strong

2c20619e74520593b39ac0f1257abcd4.jpg

    Há poucos dias no ginásio, após uma aula de Body Pump e enquanto aguardava pela aula seguinte de Body Step, um homem veio ter comigo e "peço desculpa, como é o seu nome? Olha, eu fiquei impressionado com a carga que você colocou durante toda a aula...é que é mesmo carga de homem. Como é que você conseguiu isso?" A conversa continuou (e com o sotaque brasileiro da pessoa em questão tinha outra piada) mas eu meio que bloqueei nestas últimas palavras: "é mesmo carga de homem" e "como é que você conseguiu".  

   Não sei se continuam a existir esses mitos de que o homem vai ser sempre o todo-poderoso da força muscular e aquele e apenas aquele que consegue pegar em grandes pesos, mas a experiência, a minha e a que vejo nos outros, ou melhor, nas outras, é que essa ideia é completamente descabida. É certo que para os homens é mais fácil ganhar massa muscular, mas há muito boa mulher (literal e fisicamente falando) capaz de dar uma boa tareia (metafórica ou não) num homem. É tudo uma questão de motivação, de força de vontade, de metabolismo talvez, mas acima de tudo de treino. E aqui entra a parte do como é que eu consegui. Todos os resultados que atingi até hoje (e atenção que eu continuo a ser uma menininha no que a treinos diz respeito) foram acontecendo natural e gradualmente. Treino regularmente, sim, mas não obececadamente e a prova disso é que raramente me vêem a treinar dois dias seguidos, por exemplo. Fui-me deixando levar por aquilo que ia fazendo e fui descobrindo aquilo que realmente me dá prazer fazer e acho que isso é meio caminho andado para o sucesso e os resultados foram surgindo, sem forçar, sem entrar em paranóias, fui estabelecendo os meus objectivos e quando lá chegava reformulava-os com a cabeça e o corpo no lugar, ao ponto de hoje dizer que em determinados treinos não quero aumentar mais a carga por ter a perfeita noção que começa a ser demais para o meu corpo. 

   E eu vejo muita gente conseguir bem mais que eu. Se gostava de lá chegar? Talvez. Gostava de chegar onde tiver vontade de chegar, sobretudo. Mas também vejo muita gente que não evolui. Eu evoluí. Muito. Muito mesmo. Stronger than yesterday. Sempre. Se fico orgulhosa? Muito. Já várias vezes disse que era a maior das alforrecas no que a exercicio físico diz respeito, por isso ouvir comentários deste género deixam-me agradada. Não por ser mulher. Simplesmente por estar, ser e me sentir mais forte que ontem. 

   Força nisso gente!

1 comentário

Comentar post