Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Janelas

Ficamos a olhar para a casa durante algum tempo. O mais estranho nas casas é que quase sempre dão a impressão de que não se passa nada lá dentro, embora a maior parte das nossas vidas seja passada lá dentro.

"A culpa é das estrelas", John Green

 

   Quando viajo de carro por distâncias mais longas, ou quando simplesmente conduzo na cidade, gosto de olhar para as janelas das casas e pensar "o que se passará lá dentro?". Gosto de fazer isto especialmente em dias festivos, como por exemplo o Natal. É verdade que a maior parte das vezes as janelas não deixam ver lá para dentro, pois parece que simplesmente não há vida para lá daqueles vidros, e fico a saber exactamente o mesmo, que é nada, mas gosto de tentar imaginar o que se passará lá dentro, se será uma casa de sorrisos, calor e amor ou se, pelo contrário, é uma casa onde reina a solidão e a tristeza. 

   Gosto quando conseguimos avistar vida para lá das janelas. Quando uma luz denuncia sombras e movimento humano. É aí que eu mais gosto de imaginar vidas que não são minhas mas que terão tanto a ensinar-nos ou então tanto de semelhante às nossas. 

   "Home is where your heart is", já dizia o outro e o certo é que não há outro local onde nos sentimos tão nós, outro local onde as vidas sejam tão transparentes e sinceras, no que de bom e menos bom isso possa trazer, quanto nos nossos lares, para lá das janelas.