Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Nada e vazio...

   Ontem acordei demasiado cedo, até para quem salta sempre cedo da cama ao sábado para ir treinar. Ainda não eram 7h e já estava mais que desperta (ah e tal, o fim-de-semana, finalmente vou poder dormir até mais tarde...esqueçam lá isso). Tentei ficar na cama, não fosse o sono voltar. Ao fim de 15min já estava com os meus níveis de ansiedade no máximo e foi então que dei por mim a pensar na dura realidade daqueles que, por doença, por obrigação, passam os seus dias e as suas noites na cama, muitas vezes sem qualquer distração, uma televisão, uma visita, o que quer que seja. 

   Ontem, pela minha cabeça, naqueles 15/20 minutos, passou tanta coisa...o que passará pela cabeça de alguém para quem há anos tem na cama a sua vida, a sua realidade? Será que lhe podemos chamar realmente vida? Qual é a força que os mantém, que os faz aguentar aquilo? 

   Ao longo do meu percurso profissional conheci diversos casos destes. Pessoas acamadas há anos, algumas completamente alheias ao mundo à volta e outras totalmente conscientes do mundo, da sua situação e da inevitabilidade da mesma. O que nos segura à vida quando tudo o que temos é aquilo e aquilo é pura e simplesmente nada e vazio? 

   São guerreiros, só podem ser guerreiros...