Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

«O Pintassilgo», Donna Tartt

13556_gg.jpg

Vencedor do Prémio Pulitzer de Ficção 2014, um dos mais importantes galardões mundiais.   "O Pintassilgo" é um livro poderoso sobre amor e perda, sobrevivência e capacidade de nos reinventarmos, uma brilhante odisseia através da América dos nossos dias, onde o suspense e a arte são dois elementos decisivos para agarrar o leitor.   «O Melhor Livro de 2013» segundo a amazon.com«Um dos 10 Melhores Livros de 2013» – The New York Times   Theo Decker, um adolescente de 13 anos, vive em Nova Iorque com a mãe com quem partilha uma relação muito próxima e que é a figura parental única, após a separação dos pais pouco antes do trágico acontecimento que dá início a este romance. Theo sobrevive inexplicavelmente ao acidente em que a mãe morre, no dia em que visitavam o Metropolitan Museum. Abandonado pelo pai, Theo é levado para casa da família de um amigo rico. Mas Theo tem dificuldade em se adaptar à sua nova vida em Park Avenue, e sente a falta da mãe como uma dor intolerável. É neste contexto que uma pequena e misteriosa pintura que ela lhe tinha revelado no dia em que morreu se vai impondo a Theo como uma obsessão. E será essa pintura que finalmente, já adulto, o conduzirá a entrar no submundo do crime.

____________________________________________

   São quase 900 páginas que valem realmente a pena ser lidas. É um Pulitzer 2014 e percebe-se verdadeiramente porquê. É um daqueles livros que quase desde a primeira página nos deixa com aquela sensação de estarmos a ver um filme, muito mais do que a ler um livro. Realmente envolvemo-nos com as personagens, especialmente com Theo Decker e sabemos que o fim não vai ser estrondoso, mas vai ser com certeza bom porque vai parecer real e não saído de uma história de ficção.

   Fiquei curiosa com esta autora.

 

1 comentário

Comentar post