Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

«Queres casar comigo todos os dias?», Pedro Chagas Freitas

biblioid03484.jpg

  Não sei se quem já leu este livro também ficou com a sensação que ele parece escandalosamente autobiográfico... se não o é, ergo as minhas mãos ao céu por alguém conseguir escrever o amor com tanto sentimento e tanta força. Neste livro só há uma personagem: a Bárbara. E o amor. Se calhar é mesmo esta a personagem principal: o amor. Não há grande história, grandes desenvolvimentos, grande enredo... na verdade, tudo parece ou aparece meio solto, sempre com o amor como base, como sustento, como fundamente e como tudo. É um livro de Pedro Chagas Freitas. Claramente. Não é preciso dizer muito mais. Não é o tipo de livro que eu adore ler, pelo menos não de seguida. Vou lendo, até porque a inexistência de história assim o permite. 

   Para os meus gostos literários e para a minha personalidade casca dura chega a ser um livro pesado e demasiado...intenso, sentido,  amado. Chega a um ponto que é amor a mais, sentimento a mais, tudo a mais...não sei se queria ser amada assim por alguém capaz de sentir o amor assim como o escreve. 

   É um livro interessante. Ou melhor, é um livro com partes interessantes. Partes que dão que pensar. É Pedro Chagas Freitas, disso não há dúvida. 

1 comentário

Comentar post