Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Na minha cozinha: muffins de pêssego e laranja

18425232_10206803868175443_8843249771222449386_n.j

 Vamos precisar de:

  • 2 pêssegos pequenos descascados
  • 1 laranja descascada
  • 3 scoops de farinha de arroz (ou qualquer outra a gosto)
  • 1 c.café de fermento
  • canela a gosto
  • 1 ovo
  • 1/3 chávena de leite magro sem lactose ou bebida vegetal (caso a massa fique demasiado compacta)

E é só fazer assim:

  • Misturar tudo num robô de cozinha; colocar em formas individuais e levar ao forno.

Na minha cozinha: Bolo de Alfarroba, Aveia e Maçã

17952027_10206629774183202_6801475980659686950_n.j

Precisamos de:

  • 4 colheres de sopa de farinha de alfarroba
  • 2 chávenas de farinha de aveia (ou trigo integral, espelta, arroz...o que preferirem)
  • 1/4 chávena de amido de milho
  • 2 colheres de chá de canela
  • 1 colher de chá de fermento
  • 1 pitada de curcuma (ou gengibre)
  • 2 ovos
  • 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz, sem adição de açucar)
  • 3/4 maçãs raladas

(A receita original do blog "A Pitada do Pai" leva uma pitada de sal, 1/2 chávena de cajus ou castanha do brasil, azeite/óleo de côco e um adoçante a gosto, ingredientes que no meu caso retirei)

 

E é so fazer assim:

  • Misturar os ingredientes sólidos numa taça;
  • Ralar as maçãs com a varinha mágica e misturar com os ovos e a bebida vegetal noutra taça;
  • Misturar tudo;
  • Colocar numa forma do tipo "bolo inglês" e levar ao forno

Deliciem-se!!!!

As minhas papas

Haverá pequeno-almoço mais reconfortante e saciante, especialmente em dias de frio, que uma bela tigela de papas? Pois é, não há como negar, as papas estão na moda e toda a gente as adora (não há como não o fazer!). Eu não sou excepção. Como toda a gente, comecei pelas papas de aveia e estas continuam a ocupar o topo da minha preferência, mas desde há algum tempo que procuro variar o tipo de papas que faço e tenho descoberto alternativas igualmente deliciosas e saudáveis. 

Mas comecemos pelo clássico: as papas de aveia

Image.png

 A grande vantagem destas papas é que são super fáceis e rápidas de preparar e bastante económicas, já que a aveia tem um preço muito acessível. Em qualquer loja ou supermercado encontramos mais do que uma variedade de aveia (dou preferência à integral e de flocos finos) e todas baratinhas. A sua preparação é igualmente fácil: no lume (como mais gosto mas nem sempre tenho tempo para o fazer!) ou no microondas, é só juntar água, leite ou bebida vegetal e deixar cozinhar e temos o básico das papas de aveia. No meu caso, gosto sempre de lhes juntar fruta, principalmente banana (deixo cozinhar juntamente com a aveia para ficarem ainda mais deliciosas) ou maçã cozida e quando as uso para pré-treino acrescento ainda claras, para as tornar mais proteicas e nutritivas. As variações são infinitas e dependem apenas da nossa imaginação e dos nossos gostos. 

Mas avançando para outros universos, existem outras papas que não ficam nada atrás na qualidade e sabor. 

 

Trigo Sarraceno

Image-2.png

O trigo sarraceno é um cereal energizante e nutritivo, sem gluten, rico em proteínas, magnésio e ferro. Vende-se sobre diversas formas, mas para as papas compro-o em versão flocos e cozinho-o exatamente da mesma forma que a aveia. O sabor é completamente diferente, diria que mais amargo, e faz umas papas mais leves e suaves. Desvantagem? Mais caro que a aveia (o pacote pequeno ronda os 3euros).

 

Quinoa

Vulgarmente utilizada para acompanhamento das refeições principais, a quinoa também é uma excelente opção para umas belas papas. Julga-se que a utilização da quinoa na alimentação remonta há mais de 4000 anos atrás e diversos estudos e organizações apontam-na como um dos alimentos mais completos do mundo, sugerindo mesmo o aumento urgente da sua produção em países subdesenvolvidos e carenciados, como forma de erradicar a fome. Claramente um super alimento!  

Image-5.png

Até há bem pouco tempo conhecia apenas a versão "normal" da quinoa, ou seja, em cereal/bolinhas, que utilizava para os meus cozinhados. Um dia experimentei cozinhá-la em bebida vegetal e juntar-lhe maçã cozida e o resultado foi delicioso. 

Image-1.png

Recentemente encontrei no Jumbo e pela primeira vez quinoa em flocos, ideal para a preparação de bolos ou panquecas e claro está, das papas! Devo dizer que foi amor à primeira colherada! Esta versão da quinoa é óptima para as papas que ficam das mais deliciosas de sempre e super saciantes. Não preciso de falar da preparação, igual em todas as papas, mas deixo apenas a ressalva de que, mais uma vez, não é um opção barata - um pacote pequeno custa quase 4 euros. Mas acreditem que vale cada cêntimo!

 

Tapioca

A tapioca é a fécula extraída da mandioca, usalmente vendida em forma granulada. Está totalmente na moda nos últimos tempos, principalmente pelos magníficos crepes (crepiocas) a que dá origem, mas a verdade é que a tapioca se consome há anos (perguntem aos vossos avós se nunca fizeram uma espécie de papa de tapioca). 

Image-3.png

  Se é certo que ainda não tive sucesso na preparação das famosas crepiocas, no que a papas diz respeito, estas bolinhas gelatinosas são grandes amigas minhas! A principal desvantagem é que a tapioca tem de ser colocada "de molho" durante cerca de 1h/1h30, para hidratar antes de ser cozinhada e a sua preparação é um pouquinho mais lenta que a das outras papas. Para além da fruta, acrescentar-lhes um pouco de farinha de alfarroba durante a preparação é também uma excelente dica. 

 

Teff

Talvez a alternativa menos conhecida neste universo das papas e dos cereais. O teff é um cereal sem glúten, muito comum na Etiópa mas praticamente desconhecido no resto do mundo, e com excelentes carateristas nutricionais, nomeadamente cálcio, ferro e proteína, tudo o que queremos e precisamos para ser felizes e saudáveis. 

Image-6.png

Como se trata de um cereal muito pequeno e vendido em flocos muito finos, as papas ficam verdadeiramente papas e super consistentes. O sabor é completamente diferente de qualquer outro cereal, intenso e muito particular, mas agrada-me bastante. É uma alternativa super saudável mas a que recorro poucas vezes, já que o preço é assustador e até hoje encontrei-o à venda apenas na Celeiro (aquele pacote pequenito custa mais de 5 euros!). 

 

Weetabix

Image-4.png

Só para terminar, um pouco de Weetabix, o farelo de trigo que toda a gente conhece, tido como um dos "cereais de supermercado" mais saudáveis. Uma opção muito rápida e sem complicação nenhuma (leite, barra de weetabix e já está) a que recorre pouquíssimas vezes pois não sou grande apreciadora de farelos. É daquelas coisas que tenho sempre em casa mas de que raramente me recordo e que acabo por usar até mais em iogurtes (uma espécie de papa de iogurte com o farelo desfeito fica muito bom!). Tal como em todas as outras papas, gosto de o misturar com fruta. 

 

Como se percebe, as opções são muitas e é fácil variarmos os nossos pequenos almoços sem perdermos o foco no bom e saudável. No que a papas diz respeito, as alternativas de cereais são imensas, as formas de preparação também e os alimentos e super alimentos que lhes podemos acrescentar também. 

 

E quanto a vocês, quais a vossas papas preferidas? Partilhem! 

E que os vossos pequenos-almoços sejam sempre felizes!

Não. Continua a não ser uma dieta

   Hoje, no intervalo da manhã em mais um dia de formação, uma colega dirigiu-se a mim com um nunca inocente "Está de dieta? Vi-a a comer um iogurte. E está mais magra!". 

   A primeira lamparina que se acendeu no meu cérebro foi "mas desde quando comer um iogurte a meio da manhã é estar de dieta???". Mas depois acenderam-se logo centenas de outras lamparinas, que são as da saturação e da incompreensão misturadas com uma certa "revolta" com esta mania das pessoas acharem que quem se preocupa com a alimentação e gosta de comer, mas comer bem, está obrigatoriamente e eternamente "a fazer dieta". Mais uma vez, é de mudança de mentalidades que falamos aqui, já que as pessoas têm de tal modo enraizadas as ideias de que tudo o que não é artificialmente adoçado, gorduroso, alterado, processado, whatever, não é comida que alimente pessoa normal e que, por isso, nós, os esquisitos andróides que nos preocupamos connosco e optamos (sim, porque, mais uma vez é uma opção e não uma obrigação) por alimentos o mais saudáveis possíveis, somos uns granda malucos com a mania das dietas e que passam muita fome, porque comemos, imagine-se!, iogurtes a meio da manhã!!! 

De facto, o que eu vi a maior parte das pessoas comer a meio da manhã foram bolachas, bolos de arroz, folhados mistos e de chocolate... concordo que neste cenário, ver alguém deliciado com um iogurte, ainda por cima magro! que grande doidice!, é totalmente inovador e esquesitóide. Como eu dizia, são opções e por serem opções e não obrigações, surgem naturalmente em nós, longe de dietas ou preocupações com o peso. Já o disse várias vezes, o que faço e o que como são preocupações com a minha saúde, com o meu bem-estar e não com a minha balança. Satura ouvir constantemente esses comentários de "está a fazer dieta" ou "não come para manter a elegância" - minha gente, eu como! E como muito! Sou completamente incapaz de sentir sequer um início de fome! Estou mais magra, é um facto. Não fiz nada para o estar, é outro facto. Será uma fase, será a correria diária, será a intensidade e o tipo de treino que faço ultimamente... mas não será, NÃO É, garantidamente fome!

Isto cansa. Em pleno século XXI cansa ainda mais. E, acima de tudo, preocupa-me, porque me mostram que a maioria das pessoas continua completamente despreocupada e relaxada com a sua saúde. 

E descansem que eu já estou preparada para amanhã ser chamada de anoréctica quando me virem saborear uma bela cenoura crua a meio da manhã!

Cuidem-se, por favor!

Coisas da boca

   

tumblr_mklhw7eDiD1s9at8yo1_500_large.jpg

A parte boa de termos esta mania da alimentação saudável e de não comermos isto e aquilo porque faz mal a aquilo e a isto é que quando vamos a cometer esses ditos pecados alimentares simplesmente essas coisas não nos sabem bem, ou causam-nos mesmo alguns desconfortos. 

   Assim de repente: eu não como fritos; as duas últimas vezes em que os comi, em formato batata frita e filete de pescada, estive o resto do dia a águas com gás e medicação para as dores de estômago e de cabeça, de maneira que julgo que foi a definitiva sentença de morte dos fritos. As duas últimas vezes em que fui jantar fora com a suposta intenção de comer uma francesinha, cheguei ao restaurante e descobri que facilmente as trocava por um prato de peixe ou de massa. Há pouco tempo comi duas bolachas Maria (há quantos meses não tocava numa?) do meu afilhado e perguntei "isto é Maria?", simplesmente porque não me estavam a saber bem e eu devorava pacotes destas. No Domingo dei uma trinca na nata que o meu namorado comia com o maior gosto do mundo e o meu pensamento automático foi "ui, que enjoativo"... 

   Começo a temer o dia em que vou ter uma reacção do género ao comer gelados, mas o certo é que o nosso organismo (ou o nosso cérebro) se habitua a determinado tipo de alimentação e começa a ser difícil fugie a essa regra, o que vem demonstrar que realmente é tudo uma questão de hábito e não de sacrifício, até aquele dia em que tudo se torna natural em nós. 

   Boas comidas!

Das coisas que me fazem muita confusão...

 

receitas-de-saladas-decoradas.jpg

 

 Eu gosto de saladas e legumes e toda a espécie de verdes. Gosto de os misturar, aproveitando tudo o que tenho em casa e, basicamente, qualquer conjugação me agrada. Nas refeições fora de casa a regra é a mesma, ou seja, nenhuma! Misturar, misturar, misturar... tudo está bem por mim! 

   Ora, o que me faz mesmo confusão e que eu não percebo é essa mania que a maioria das pessoas tem de regar e complementar as saladinhas com todo o tipo de molhos, alguns dos quais misturam mais coisas do que a própria salada e que me parecem todos estupidamente calóricos e incompatíveis com a suposta alimentação saudável que estaria inerente a uma refeição "saladiana". 

   Adoro quando me perguntam "e para molho?" e a resposta "nada ou só um fiozinho de azeite se tiver" suscita aquele olhar de "really?? Nada!?!". 

   Vamos lá ser coerentes! Se é para ser saudável, fiquem-se pelo nada!