Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Regras, limites e estilos parentais

   Foi este o tema das sessões de formação parental deste mês. Apesar da pouca adesão por parte dos pais, o que para mim é um claro sinal do desinteresse dos pais pelos filhos, posso concluir que a generalidade dos pais sente uma dificuldade enorme em educar os filhos, no verdadeiro sentido da palavra, principalmente no que respeita à transmissão das regras de conduta. Generalizando, estavam todos na mesma onda: "mas como é que eu faço isso, se o meu filho nunca me obedece?".
   Infelizmente, não existem fórmulas mágicas nem livros de instruções que ensinem os pais a educar os filhos. De facto, poderá ser muito mais fácil falar do que fazer, ler do que viver, ainda assim, eu ainda acredito que há crianças que são muito fáceis de educar, basicamente porque têm pais competentes e capazes de o fazer. Nestas sessões tive poucos exemplares destes tipos de pais...talvez um por sessão, mas certo é que me deu um gozo enorme pôr esses pais a falarem e a partilharem as suas experiências tão diferentes das dos restantes pais, mas que provam que isto de ser bom pai/boa mãe é uma tarefa complicada mas absolutamente possível.
   Estava à espera de encontrar muitos mais "quando for mãe vai perceber do que estamos a falar", mas a esse comentário só tenho uma resposta possível: não sou mãe, é um facto, mas já conversei com muitos pais e já vi muita coisa e, acima de tudo, sou filha de uns pais que fizeram um bom trabalho na tarefa de me educarem e conheço muitos outros exemplos de pais que fizeram também um muito bom trabalho na educação dos seus filhos.E não digo que isso tenha dado um trabalhão, porque quando as coisas são feitas com o coração e com dedicação não custam nada.
   Eu ainda acredito em pais dedicados e em crianças educadas. Quanto aos outros casos, há muita falta de competências parentais, muita falta de tempo, muita falta de dedicação, muita tecnologia, muita informação não filtrada e muita gente, adultos e crianças, a precisarem de ajuda e orientação. E não é vergonha nenhuma pedi-los!

E ser criança fica onde?

   Hoje, no balneário do ginásio, uma menina com não mais de 8 anos, das turminhas de natação, discutia com a mãe de uma amiguinha o porquê dessa amiguinha não poder frequentar determinada actividade que não cheguei a tempo de perceber qual era.

   Menina: "Mas porquê que ela não pode ir?"

   Mãe da amiguinha: "Porque ela já tem muitas actividades."

   Menina: "E depois? Eu também tenho muitas actividades. À segunda tenho basquete, à terça tenho piscina, à quarta tenho karaté, à quinta tenho qualquer outra coisa que já não me lembro (eu!), à sexta tenho karaté, ao sábado tenho basquete e ao domingo natação".

   Por esta altura, todo o balneário se calou a olhar para a pequena, perante o ar envergonhado da mãe desta.

   Pessoalmente, chego a achar que aquela mãe é uma espécie de terrorista das mães. Uma criança tão pequena com actividades 7 dias por semana? Depois de um dia de escola, trabalhos de casa, estudos, etc, etc, não há um único dia em que a criança possa descansar? E ser criança fica onde?

   Lembro-me de quando era criança e tinha natação (no FCP, carago!) à segunda, quarta e sexta, aulas de órgão/música ao sábado de manhã e catequese ao sábado à tarde e domingo de manhã. E lembro-me que muitas vezes ir para isto tudo era para mim um sacrifício (especialmente o órgão e a música, de que nunca gostei e desisti ao fim de 2 ou 3 anos). Porquê que eu haveria de desperdiçar o meu tempo precioso de criança naqueles afazeres todos quando havia tantas histórias para construir com as minhas Barbies e tanta roupinha para lhes vestir e despir? Ter tempo para mim sempre foi uma prioridade, desde pequena.

   Eu não sou mãe nem tenciono sê-lo, mas não equaciono sequer a possibilidade de um dia sobrecarregar uma criança com centenas de actividades, por muito atractivas e benédficas que elas sejam. Para mim, o fundamental é deixá-los ser crianças. Se não o forem enquanto estão cronologicamente lá, quando o serão?

Identificação e os Ovos

 - "E o polícia chegou ao pé de mim e disse: dá-me a tua identificação e os ovos..." - relata um jovem estudante amante do tiro ao alvo, que é como quem diz, do tiro à ministra com ovos. 

   Ora bem, não se admirem que ver algures por essas estradas fora um Sr. Polícia a fazer operação STOP e "Muito bom dia! Os seus documentos e os ovos, por favor". É pra já senhor agente!

 

   A propósito dessas greves, protestos e batalhas de ovos...será que os jovens de hoje em dia não têm mais nada que fazer? E estudar, não? É que nunca estão bem com nada. Sim, a vida é dura e estudar é parte mais fácil de toda ela, acreditem. Vá, menos ovos e mais cabecinha, ok?