Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Mentalidades (que) mudam corpos

 

   Fui acompanhar a minha ao Instituto Português de Oncologia para que ela realizasse o rastreio do cancro da mama. E sai de lá chocada. Não, não foi com o facto de terem marcado todos os rastreios para a mesma hora, provocando a habitual "seca de sala de espera" tipicamente portuguesa. O que me chocou verdadeiramente foi o cenário feminino que à minha volta aguardava. Das mais de 50 mulheres que lá estariam, com certeza 98% delas apresentava excesso de peso, de gordura e de idade. À excepção da minha mãe, que nos seus 49 anos aparenta ser a minha irmã mais velha (percebe-se porquê que ninguém me dá a minha idade), e de uma outra senhora fisicamente bem cuidada, tudo o resto era assustador. Excesso de peso misturado com escassez de cuidado e temos o retrato perfeito. Não tomem isto como um "Ah, lá está a mania das dietas e das magrezas e pensas que toda a gente é vaidosa como tu". Não se trata de estética, trata-se de saúde, porque um corpo em excesso não é um corpo saudável. E porque são estes adultos que educam as nossas crianças e, por isso, é normal vê-las lanchar diariamente um bolo carregado de creme e um sumo, ou um Bollycao acompanhado de um leite achocolatado, simplesmente porque é mais prático, porque se compra feito e é só meter na mochila. E perante este cenário não é de admirar as estatísticas que nos colocam no topo, mais uma vez pelos piores motivos. Somos um país de pessoas descuidadas, desinteressadas e doentes. Até quando?

   Mudar mentalidades é, sem sombra de dúvidas, a mais difícil das mudanças.

3 comentários

Comentar post