Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

A Outra Parte

Diane Kruger & Quentin Tarantino

   "...se no começo existiam tão poucos seres humanos sobre a face da Terra e hoje existem tantos, de onde vieram essas novas almas? (...) A nossa alma transforma-se em duas, estas novas almas transformam-se noutras duas e assim, nalgumas gerações, estamos espalhados por uma boa parte da terra. (...) assim como nos dividimos, também nos reencontramos. E este reencontro chama-se Amor. Porque quando uma alma se divide, ela divide-se sempre numa parte masculina e numa parte feminina. (...) Os seres humanos estão todos interligados (...). Em cada vida temos a obrigação de reencontrar, pelo menos, uma dessas Outras Partes. O Amor Maior, que as separou, fica contente com o Amor que volta a uni-las.

   - E como posso saber quem é a minha Outra Parte?

   (...) Era possível conhecer a Outra Parte pelo bilho dos olhos - assim, desde o início dos tempos, as pessoas reconheciam o seu verdadeiro amor. A Tradição da Lua tinha outro processo: um tipo de visão que mostrava um ponto luminoso acima do ombro esquerdo da Outra Parte. (...)

   - Correndo riscos. Correndo o risco do fracasso, das decepções, das desilusões, mas nunca deixando de procurar o Amor. Quem não desistir de procurar, vencerá. (...)

   - Podemos encontrar mais do que uma Outra Parte?

   Sim. (...) E quando isso acontece, o coração fica dividido e o resultado é dor e sofrimento (...).

   (...) Somos responsáveis por reunir, pelo menos uma vez em cada encarnação, a Outra Parte que com certeza irá cruzar-se no nosso caminho. Mesmo que seja apenas por instantes; porque esses instantes trazem um Amor tão intenso que justifica o resto dos nossos dias.

   (...) Também podemos deixar que a nossa Outra Parte siga adiante, sem a aceitar, ou, sequer, percebê-la. (...) E por causa do nosso egoísmo, seremos condenados ao pior suplício que inventámos para nós mesmos: a solidão."

"Brida", Paulo Coelho