Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

A procura da verdade

 

   "(...) Todos os dias adormecemos com a dúvida e acordamos sem a consolação de uma resposta que nos serene o espírito. Andamos na vida a tactear como cegos, agarrados às paredes periclitantes da intuição e à frágil bengala do conhecimento, esbarrando na ambiguidade das coisas e tombando constantemente. A vida é feita de suposições e ganha quem melhor se saiba orientar nas trevas da incerteza. Na realidade, todo o humano aceita o enigma da vida com relativo desportivismo, apesar de transcender as suas capacidades. Mas não estaria nessa dificuldade, sobretudo, o interesse da vida?

   Os místicos procuram o Graal, os cientistas a evidência, os filósofos Deus ou a Verdade nas montanhas ou no coração das pessoas; mas são as perguntas e não as respostas que lhes enchem os dias de vida, de energia, de esperança. Existiria alguma explicação, humana, que esgotasse a verdade? E quantas verdade se escondiam numa só? Não seria o infinito, mais do que uma noção cósmica ou abstracta do universo ou da vida, a única chave possível? As coisas não têm fim e, muito menos, uma aclaração que possa alguma vez sossegar a curiosidade do homem. A própria curiosidade não tem fim."

"Não me contes o fim", Rita Ferro