Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Get over it

   Gosto de me sentir de bem com a vida, com as gentes e com os acontecimentos. Já se falou disto por aqui, mas nunca é demais repetir que deixar o que quer que seja por resolver "assassina" o que quer que essa coisa seja. Viver preso ao passado é algo que me faz muita confusão e é uma forma de vida que não me parecer viver. No amor e desamor, nas alegrias, nas tristezas, nas perdas, nas conquistas, nos nascimentos ou nas mortes, tudo tem de ser vivido e resolvido. Se temos que sorrir sorrimos, se temos que chorar choramos, e, mais importante que tudo o resto, se temos que deixar partir, deixamos, independentemente do que seja ou de quem seja.

   O ser humano é tão versátil quanto complexo, tão racional quanto emocional. Se tudo nos parece impossível de superar, se algo nos causa uma dor quase desumana, se nos deixam um vazio tão grande que não sentimos mais nada a não ser a falta, nós superamos. Porque somos humanos, porque nascemos para sorrir e chorar, ganhar e perder, nascemos para viver e viver implica tudo isto e muito, muito mais. Felizmente, juntamente com um corpo físico veio uma alma sem limites e uma inagualável "caixa de primeiros socorros", que nos permite curar feridas e outras mazelas, nossas e dos outros, com a eficácia e destreza da língua de um gato. Somos infinitamente capazes e os recursos que cada um de nós encerra em si surprendem-nos dia após dia, prova após prova.

   Sou defensora acérrima da auto-suficiência e, enquanto psicóloga, não me vejo capaz de resolver os problemas de quem quer que seja. Vejo o meu papel como o de alguém que ajuda um semelhante a descobrir o melhor de si, podendo emprestar-lhe uma ou outra ferramenta de trabalho ou ensinar-lhe uma ou outra "técnica de reanimação". A solução essa está sempre nas nossas mãos, no nosso coração e, acima de tudo, no nosso cérebro.

   Viver preso a algo que já passou não é viver. Voltar lá atrás não é caminho, porque o caminho da vida faz-se em frente, passo a passo. Se o presente nos mostrar que o futuro que queremos afinal não é o futuro que pensavamos que queriamos, não voltamos ao passado, agimos no presente e mudamos o futuro. O passado está isso mesmo, passado, lá atrás. É o presente vivido em pleno que importa. Esta vida já é tão breve para tudo o que nós somos, o presente parece nunca chegar para conter tudo o que queremos que o nosso futuro seja, para quê desperdiçar esta oportunidade única presos a o que quer que seja que não nos mata, mas também não nos torna mais fortes?

   Get over it! We are so much more than anything.