Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

La Isla Bonita

 

 

   Nove dias de férias são muito bons. Nove dias de férias em Palma de Maiorca são ainda melhor. Mais do que uma ilha espanhola, Palma é um pequeno mundo à parte, um local completo e que nos oferece tudo o que podemos imaginar. Há sol, calor e, como este ano descobri, chuva que aparece e desaparece em 1, 2 horas. Há praias para todos e praias mais desertas; há um mar a perder de vista com uma água de um “azul – esverdeado – transparente” (estranho, mas não encontro outras palavras); há a agitação de uma grande cidade que consegue ser cosmopolita e histórica ao mesmo tempo; há locais onde a mão humana ainda não chegou e nunca chegará, locais de cortar a respiração, onde nos sentimos puros, livres, renascidos.
  Mais do que um destino de férias, é um dos meus destinos de eleição. Um destino onde me sinto leve como uma pena, onde o sorriso não se desfaz de manhã até à noite e onde as 24horas de cada dia parecem poucas para tanta vida.
 
(o meu paraíso na terra - Sa Calobra)
 
   Em Palma de Maiorca suspiramos profundamente ao chegar e ao partir. Sente-se alegria ao chegar e saudade ao partir.
   Em Palma desejamos que os nossos olhos captem cada pormenor, cada imagem, e que o nosso cérebro as guarde interminavelmente, para podermos lá voltar mentalmente sempre que o físico não nos permite.
   Naquela isla bonita as máquinas fotográficas nunca parecem suficientemente boas e as fotografias nunca são suficientemente reveladoras, porque não captam a perfeição de uma vivência.
   Quem lá vai quer voltar, é por isso que depois de 4 visitas e 2 dias depois de regressar já fui invadida pela nostalgia, ou melhor, já sinto saudades do espírito daquele pequeno paraíso rodeado de azul.