Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Um queque de chocolate para dois

   Tarde de Verão a cheirar a início de Primavera, estrada da circunvalação. no "nosso" alfinha, ele ao volante, eu a co-piloto, nós a partilharmos um queque de chocolate (por sinal bem bom!).

   Ele: Hoje já tens título para o post: a partilha de um queque.

   Eu: (risos)

   E lá fomos nós estrada fora, partilhando um queque de chocolate, enquanto trocávamos ideias, palavras, risos, olhares, sentimentos...

   Mil e um pequenos nadas...que são tudo.

 

Olhar para trás

   "A vida ensinou-me a não olhar para trás. Mas não por medo, ou por vontade, até porque o tempo, que dizem que tudo apaga, só serve para nos roubar as horas e gravar na memória os melhores e os piores momentos. E ficamos presos lá dentro, como peixes num aquário, enquanto a vida corre lá fora, e os outros respiram e se movem em liberdade, sem sequer reparar que estamos ali, fechados em nós mesmos, presos numa bola de vidro transparente que nos mostra o mundo onde não conseguimos viver. E, como o presente não passa de uma prisão dura e pesada, já basta o esforço de a aguentar, por isso olhar o passado transforma-se num exercício estéril e inútil que só rouba mais tempo e que não serve para nada.

(...)

   A vida ensinou-me a aceitar em vez de querer, a esquecer em vez de julgar, a não guardar rancor e a dobrar a tristeza, sem nunca deixar de amar e proteger aqueles que já fizeram parte dela."

 

in "Nazarenas e Matrioskas", M.R.P.

 

 

Praia, finalmente...

   E depois de dias e dias de desespero e ânsia por um raio de sol suficientemente quente para me dourar a pele, finalmente os meus pés pisaram um pedacinho de areia, a toalha foi orgulhosamente estendida no areal, o protector solar espalhado pelo corpo relaxado e depois...nada, apenas o som do mar misturado com as vozes satisfeitas de famílias.

  É isto o Verão...sol, praia, pé na areia , olhar no mar (sim, só o olhar, porque a temperatura nada convidativa da água a tal obriga) e mão dada contigo.

 

   Quero mais.

 

Gira não, bo(u)a

Local: zona da fruta e legumes de uma grande superfície comercial que enche os bolsos ao Belmiro de Azevedo.

Cliente: Oh giraça estes melões são bons?

Giraça(leia-se empregada): Já lhe disse que estão maduros.

Vou ter contigo e disparo logo...

Eu: Chegou ali um homem e disse "Oh giraça os melões são bons?" E a empregada "J´´a lhe disse que estão maduros".

Tu: Quem? (e encolheste os ombros)

Eu: Eu posso não ser muito bonita mas ela é um insulto à beleza (e as mulheres NUNCA deixarão de ter uma veia de maldade).

Tu: Fogo...se ela é bonita tu...

Eu: Eu sou uma Nereida à beira dela (risos)

Tu: Fogo!!! Tomara essa ser como tu.

Eu:Então ainda no outro dia disseste que ela era gira.

Tu: Gira não, bo(u)a...

Eu: (aquele olhar...) ESTOU CHATEADA E TÁ TUDO QUASE ACABADO!

Tu: (entre beijinhos e abraços) Então é melhor eu ir embora não é?

Eu: AI DE TI!!!

 

Instantes depois, perante a publicidade a uma qualquer marca de champô que promete caracóis sublimes...

Tu: Olha tu (ou seja, olha alguém com cabelo aos caracóis)

Eu: Quem me dera ganhar dinheiro à custa dos meus caracóis.

Tu: Eu não gostava disso...Tomara a bo(u)azona da Nereida ser assim como tu.

Eu: Continua continua, quanto mais falares maior será o meu post...

 

E aqui está, especialmente para ti...com um cheirinho de ciúme e birrinha. Comenta (não tenho medo das tuas ameaças quanto ao teor dos comentários) e redime-te e PODE ser que eu te perdoe...

 

 

Pág. 3/3