Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Embrulhos e mais embrulhos

  

   E a uma semana do Natal, e depois de uma tarde inteira à procura dos presentes ideais, está oficialmente encerrada a época de compras natalícas. Com a companhia perfeita, esvaziamos um cadinho a carteira, chegamos a casa carregados de sacas, com uma valente dor de pernas/pés/costas e só apetece dizer "Aiii...estou tão cansada...de fazer compras"!!! (o meu lado fútil sempre quis dizer isto!!!Shame on me!).

   Sabem sempre tão bem as compras natalícias! Apanhar uma filinha de trânsito, outra filinha nas caixas das lojas, a dúvida "será que vai gostar", o entrar e sair das lojas de mãos a abanar, o encontrar da prenda ideal (ainda que esta seja uma gravata com rudolfos e pais natal e música!), o escolher do papel de embrulho, o lanche de duas torradas e duas meias de leite (era muito, era muito, mas quase que nem as migalhas sobravam) e o regresso a casa a cantar/gritar Linkin Park.

   É isto o Natal: sorrisos, momentos, música no ar e prendas no sapatinho.

    

O fio dos dias

  

   "E assim prosseguimos com as nossas vidas, cada um para seu lado. Por mais profunda e fatal que seja a perda, por mais importante que seja aquilo que a vida nos roubou - arrebatando-a das nossas mãos -, e ainda que nos tenhamos convertido em pessoas completamente diferentes, conservando apenas a mesma fina camada exterior de pele, apesar de tudo isso continuamos a viver as nossas vidas, assim, em silêncio, estendendo a mão para chegar ao fio dos dias que nos coube em sorte, para logo deixarmos irremediavelmente para trás. Repetindo, muitas vezes, de forma particularmente hábil, o trabalho de todos os dias, deixando na nossa esteira um sentimento de um incomensurável vazio."

(in «Sputnik, Meu Amor», Haruki Murakimi)

Apanhar sol por dentro

  

   Chegou (com uma hora de atraso, é certo), falou, surpreendeu, cativou. Seis aparentemente dolorosas horas de aulas com o conhecido Dr. Eduardo Sá tornaram-se em momentos fascinantes de aprendizagem e partilha de experiências. Num discurso positivo e totalmente marcado pela empatia, calma e segurança típica dos que sabem realmente do que estão a falar, Eduardo Sá partilhou connosco a sua clínica, as suas convicções, os seus pensamentos, sem nunca esquecer o delicioso humor certeiro. Entre perguntas e respostas, falou verdades a sorrir e atingiu o seu objectivo: "desarrumar-nos" o máximo possível. Acima de tudo, defendeu a psicologia, e mostrou o melhor que ela tem, incentivando-nos a nós, psicólogos, a pôr legendas onde os outros normalmente só põem sentimentos ou intuições.

   Falou de vida e morte, amores e desamores, sexualidade e vinculação. Psicopatologia e normalidade. Desafiou-nos a ousar amar e a procurar aquele amor que nos faz dizer tu e eu ao mesmo tempo, porque só há amor quando o outro sabe mais de nós do que nós próprios,  nunca esquecendo que quem entra dentro de nós, entra para sempre.

   Confesso que não tinha a melhor das impressões acerca de Eduardo Sá. Ainda bem, porque hoje fui agradavelmente surpreendida e toda a minha atenção se focou naquele Ser acessível e próximo que nos tentou mostrar que verdadeira psicologia é virar a pessoa do avesso para ela apanhar sol por dentro.

um século

    Nunca vi nenhum dos seus filmes, é um facto, mas 100 anos e uma vida de dedicação são mais do que suficientes para merecer uma palavrinha minha. Por isso, Muitos Parabéns Manuel de Oliveira. Ainda que desconheça o seu trabalho, reconheço o seu esforço e dedicação e, acima de tudo, o seu exemplo. 100 anos e a trabalhar. E é português! Quando for grande quero ser como o senhor!

   Parabéns!

Dois amigos

  

   Há amigos que nos aquecem a alma e o coração e nos fazem sentir pessoas melhores. Depois há aqueles amigos que nos aquecem os pés, as pernas, o tronco, os braços, as mãos e até o nariz. Por estes dias, em que o frio gela até ao mais pequenino dos ossos, não sei de qual amigo gosto mais...a dúvida reside entre: a) o cobertor eléctrico que me aquece a cama e b) o ar condicionado que me aquece o quarto. Depois de muito analisar e reflectir acerca da importância de cada um na minha vida cheguei à conclusão que é a presença dos dois que me faz feliz! 

   A regra é: quanto mais quente, melhor!

Cidália

  

    Bom bom é mandar um e-mail a um professor, no qual nos identificamos correctamente com "Boa noite. O meu nome é Diana etc etc, sou aluna do Mestrado em Psicologia Clínica, turma Xpto, número Xpto" e recebemos uma resposta que que se inicia por "Olá Cidália!". Sorry? Cidália? De entre 80 nomes, e mesmo estando lá o meu, porquê Cidália? Porquê?

   A revolta é atenuada pela conclusão do dito e-mail de resposta: "Uma boa semana. Paulo."

Paulo. É assim que quer que o trate? Ok, Paulo.

No.6 de Elegância

  

   Ao que parece existe algo em que Portugal aparece no topo da "lista das coisas boas". Senão, vejamos: O jornal espanhol «El Mundo» elegeu José Sócrates como uma das dez figuras mundiais mais elegantes. O primeiro ministro português é descrito como «dinâmico e seguro de si mesmo» à frente de um país onde «apesar de todas as manifestações, os portugueses respeitam este homem rigoroso» - que, apesar de tido «por alguns como arrogante e irritável, também sabe dar o braço a torcer» (se até vai existindo algum consenso quanto aos dotes de elegância do senhor, já o mesmo não se poderá dizer quanto ao breve perfil traçado por nuestros hermanos). Classificado em 6º lugar nesta lista, liderada por Karl Lagerfeld (tenho de ser sincera aqui - o nosso Zé parece-me bem melhor que este senhor) e Roger Federer, Sócrates aparece como o segundo político mais cotado, apenas atrás de Barack Obama.

   Atendendo à concorrência em causa nesta lista, até lhe atribuiria um lugarzinho melhor...Lá elegante o Senhor é. Quanto ao resto...sou a-política (se é que isso existe...).

 

   Mas o mais positivo desta lista é mesmo ter deixado o Cristiano d`Ouro de fora. Os espanhóis demonstraram ter um bom gosto nesta eleição. Já o menino é que não deve ter gostado tanto. A realidade é dura Cri-Cri.