Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

O momento objectivo da subjectividade de um ser

   "Errar não é humano. Humano é corrigir o erro."

   Esta (inteligente) frase foi proferida pelo Prf. Álvaro Miranda Santos numa das suas aulas de Psicologia da Arte e Expressividade (sim, eu tive disso).

   Ilustre psicólogo português que hoje nos deixou, este senhor dedicou a sua vida à psicologia, com interesse particular pela área da psicologia social, e muito contribuiu para a sua afirmação. A sua luta era a luta de todos nós, psicólogos. Aproximar ao máximo a psicologia das ciências. Talvez por isso raramente utilizasse a palavra "psicologia", subsituindo-a por "ciência psicológica". O seu pensamento girava em torno da subjectividade/objectividade e a sua sabedoria dificultava, muitas vezes, a compreensão dos seus discursos (porque cada aula era isso mesmo, um discurso).

   Foram muitas as pérolas de pensamento que lançou nas diversas aulas que leccionou, muitas delas que me (nos) acompanham até hoje, e sempre com um sorriso na cara. Tal como ele, que sempre tinha um sorriso na cara. E que sorriso caricato! Era uma personalidade daquelas que punha um auditório a rir com as suas palavras inocentemente (pensadas ao pormenor) expressas. Era um homem de gestos particulares. Ideias próprias. Difícil de "vergar". As suas aulas não eram fáceis. O seu pensamento não era fácil de acompanhar. Mas a sua personalidade compensava tudo isso.

 

   Até sempre, professor.

 

Long, long challenge

 Não, não é nenhum testamento. É mais um desafio da Closet, que prometeu ler até ao fim as minhas respostas. Por isso, aqui vai:

Parte 1

O que te choca: a violência contra humanos e contra animais. A mentira.

O que te arrepia: coçarem-me as costas :)
O que te excita: essa era boa, não? Quem tem de saber, sabe.
O que te solta: Eu própria, num daqueles dias em que me sinto...solta.

O que te faz rir: o lado bom da vida. O meu cavaleiro põe-me sempre a rir.  
O que te faz chorar:  demasiadas coisas, por sinal. Sozinha, sou uma lamechas.

O que te causa náuseas: Cheiro a peixe...então frito. Blagh...

O que te falta para seres feliz: não lamentando a vida que tenho, uma data de coisas, nomeadamente ligada à questão profissional.

O que te traz infelicidade: a desconfiança, a mentira, a desilusão.

O que te magoa: a desconfiança, a mentira, a desilusão.

O que desejas: sentir-me realizada.

O que receias: a infelicidade.

O que não queres perder: a minha vida e tudo o que ela representa.

O que queres alcançar: aquilo que desejo.

Uma data que abominas: dia dos namorados. Lol.

Uma festividade que adoras: o Natal, a véspera de Natal.

Uma qualidade que aprecie nas pessoas: o espírito positivo, a proactividade, a sinceridade.

Uma característica que abomine nas pessoas: cobardia.

Uma mentira que tenha dito: "Sou orgulhosamente portadora de toneladas de celulite"! Um momento de loucura.
Uma nostalgia: a minha juventude e tudo o que ela me proporcionou.

 

Parte 2

 

Vida: uma benção.

Amor: uma estrada sem fim, com muitos desvios e atalhos, construida pelos nossos sentimentos, actos e palavras.

Casamento: uma vida a dois.

Família: aqueles que ficam quando todos partem.
Dinheiro: roupinha, sapatos, viagens...importante, mas não fundamental.

Homem: o "meu chiquinho"! (tb conhecido por daddy cool, papi, ou só pai)

Mulher: Eu (e viva ao egocentrismo)

Desejo: Realizar-me

Sucesso: gostava de ter, sinceramente.
Profissão: Neuropsicóloga.

Saúde: muita, pf!

Internet: o meu blog e as minhas pesquisas nas bases de dados científicas.

Presente: vivido ao máximo.

Passado: lições, lágrimas, sorrisos, nostalgia...
Futuro: é já amanhã.

Politica: Sou do partido que tem vencido sempre: a abstenção. Nunca votei, não me cheira que alguma vez votarei. Até porque não tenho paciência para políticos, nem percebo patavina.

Brasil: o país dos reis das telenovelas.

Sexo: Um elemento do amor.

Arte: gostava de saber apreciar.

Opinião sobre o desafio em questão: Desta vez excedeste-te, não Closet?

Pág. 3/3