Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Sábado jantou-se por aqui: bar/restaurante Galerias de Paris (Porto)

 

Faz lembrar o Deux Moulins, o café do filme "O Fabuloso Destino de Amélie Poulain". Não está em Paris, está na Baixa do Porto, abriu há duas semanas e quer reverter a ideia de que já não temos tempo para nos reunirmos à mesa do café.

 

A rua Galeria de Paris, no Porto, está a tornar-se concorrida. Rivaliza com a de Cândido dos Reis, uma paralela abaixo, e a de Miguel Bombarda, um pouco mais adiante, na corrida ao primeiro lugar de rua mais procurada da cidade. E há duas semanas que existe mais uma razão para se ir até lá: o café-bar Galeria de Paris.

 

A vasta loja dos antigos armazéns de tecidos do Tito Cunha andava debaixo do olho de Laïs Costa e José Albuquerque, os proprietários do Galeria de Paris, desde Fevereiro passado. Obras feitas, decoração escolhida e quatro meses passados, abriram-se as portas de um estabelecimento cujo imaginário remete para o Deux Moulins, o café do filme "O Fabuloso Destino de Amélie Poulain".

 

Será do aconchego, do tom intimo e quente das luzes e das madeiras, dos mil e um objectos mais ou menos antigos, da música suave e vagamente parisiense, da empregada do bar, ou da nossa imaginação, mas o espírito de Amélie anda por ali.

 

Ladeadas por duas enormes estantes pejadas de colecções diversas - de jogos, máquinas de filmar, vidros de farmácia, brinquedos, peças de cerâmica - uma mostra ínfima - uma ínfima do espólio que Laïs e José têm guardado num armazém -, e por uma parede com quadros, há uma dúzia de mesas onde à noite se acendem velas. O Galeria de Paris é o filho mais novo da linhagem "novos cafés-bares do Porto", mas as pessoas já ali se sentem em casa; sentam-se, bebem uma sangria branca em caneca de 33 centilitros, comem umas tapas, conversam e deixam-se estar, sem pressas, sem solavancos, enquanto o pianista (durante a semana) as embala ou os djs as entretêm

 

Ou então chegam-se aos balcões. Onde antes se desenrolavam e mediam tecidos agora serve-se comida - ao almoço há um conjunto de pratos, a quatro euros cada, que vão da lasanha vegetariana ao peixe grelhado - cervejas, café, vinho do Porto e perfilam-se pequenos pratos com tapas. Beber um café ao balcão do Galeria de Paris, mesmo em frente às antigas máquinas de café ali em exibição, é tanto um exercício nostálgico como um salutar recuperar de um hábito, o do saborear vagarosamente uma chávena de café, descartado em prol do corre-corre apressado que se repete amiúde em anónimos snack-bares e pastelarias.

 

Degustado o café, pede-se um fino e vai-se até lá fora, à rua, fumar um cigarro ou cavaquear com os amigos (Laïs e José irão abrir, a partir de Julho, na porta-janela do lado da rua das Carmelitas um bar virado para a rua). Ali, naquela rua, onde já ciranda e se queda muita gente - também lá estão a Casa do Livro e o Café Au Lait e o Plano B fica a dois passos -, começa a haver uma movida, gente que lá vai porque "ouviu falar", porque sabe que há animação, existe agora a Galeria de Paris. Podemos lá ir tomar o pequeno-almoço, almoçar, lanchar, ou beber um copo depois do jantar e pela noite dentro. E, já agora, conviver. Alguém viu Amélie Poulain?

 

Texto retirado da net (Guia do Lazer - Público)

 

De regresso ao trabalho

 
   A partir de hoje e se me portar como uma menina trabalhadora linda e dedicada, não engrossarei a lista do desemprego português durante os próximos 12 meses.
 
   O regresso foi pacífico e nem chegou a ser bem um "regresso", já que fui ali gozar os 11 dias de férias a que tinha direito e voltei, sendo que para os utentes nunca cheguei a "deixar" a instituição, pois apenas lhes foi dito que tinha ido de férias.
   Quanto ao trabalho propriamente dito, sofreu algumas mudanças. Uma que me agrada bastante e outra que dificulta a realização do mesmo. A primeira diz respeito a uma reformulação da distribuição dos serviços pela equipa de psicologia, sendo que agora trabalho exclusivamente com a terceira idade, que é de longe a minha área preferencial. A outra mudança é que, embora tenha "perdido" a infância, ganhei mais 3 centros sociais para intervenção, o que significa que para 5 dias de trabalho tenho 7 centros para intervir, sendo que em cada um deles existe centro de dia e apoio domiciliário. Como é que isto vai funcionar ainda não percebi muito bem. Se o primeiro dia servir de exemplo, devo-me preparar para sair bastantes vezes uma hora mais tarde do que o que devia e para limitar um pouco o tempo cedido a cada caso/utente, o que não me agrada de todo, mas se as instâncias superiores assim o querem, assim será.
   Tudo o resto parece correr ao ritmo de sempre, ritmo esse que melhorará quando me adaptar às rotinas dos novos locais de intervenção.
   Até lá e todos os dias: mãos ao céu, estou a trabalhar na minha área!

Conviver com a demência

 

   «Caro leitor,

 

   Se lhe foi diagnosticada demência e pegou neste livro, esta carta é especialmente para si.

   Você é o especialista de um assunto extraordinário - demência. A sua memória está a comportar-se de uma forma muito estranha e com falhas. Sabe o que não é se sentir totalmente bem, de uma forma por vezes difícil de explicar.

   Este livro dirige-se às outras pessoas para que elas aprendam o que você já sabe e para que o possam ajudar, em vez de perturbar, o seu progresso ao longo da vida.

   Seguem-se algumas sugestões especialmente para si. Agarre-se a elas e poderá deixar tudo o resto nas mãos da pessoa em quem mais confia.

 

     1. Daqui para a frente, não se preocupe - fique com o que já conhece e ama.

 

     2. Escolha a pessoa em quem mais confia como o seu suporte - e peça-lhe que leia este livro enquanto segue com a sua vida.

 

   3. Esqueça tudo sobre o seu diagnóstico - agora é muito bom a esquecer, por isso use esse dom para esquecer a demência e volte a gozar a sua vida.

 

   Se levar estas sugestões a sério, não terá nada a temer. Tenha confiança, deixe-se levar e deixe todo o trabalho para outra pessoa.

 

   Com os melhores cumprimentos,

 

   Penelope Garner»

 

retirado do livro "Conviver com a Demência", Oliver James 

Pág. 5/5