Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Ufa!

 
   Três horas de ginásio ontem e dez visitas domiciliárias hoje justificam o facto de eu estar na cama antes das 21h.
  
    

Meninas, preciso da vossa ajuda

 
   Depois de uns tempos "dedicada" aos cremes com cor, que facilitavam muito a pressa das manhãs, acho que está na altura de começar a usar uma base levezinha. Posto isto, preciso da vossa ajuda para me recomendarem uma simpática, boa e económica, o que elimina desde já as chaneles desse mercado. Já anteriormente usei aquela roll on da l´oreal, que não me agradou nada, por isso atirem daí sugestões, por favor! Obrigadinhas! 

O meu problema não é com a cama, é com todo o tipo de despertadores

 
   Antes que me chamem preguiçosa deixem-me esclarecer que eu não tenho qualquer problema em acordar cedo, até porque quando acordamos cedo os dias rendem muito mais. O que eu tenho é um problema grave com o facto de ter um horário para acordar, seja esse horário às sete ou às onze da manhã. Não suporto despertadores e as minhas noites de "amanhã tenho de acordar às xis horas" são sempre noites mal dormidas, porque de cada vez que acordo olho para as horas e penso "já só posso dormir mais xis horas", acordo sempre entre meia a uma hora antes do necessário e quando o despertador toca estou sempre a dormir profundamente. Há anos que este é o meu ritual de sono semanal.
   Gosto de poder acordar "por mim", naturalmente. E normalmente esse despertar nunca é tardio. Basta pensar no fim-de-semana ou nas férias, em que quase sempre acordo antes das nove horas. E se às sete horas acordar e sentir que já dormi tudo, não tenho problema nenhum em pôr-me a pé. Agora ter um aparelho (e se for uma pessoa é igual) que me impõe horários é terrível. Não é dificuldade em lidar com as regras, porque se há coisa que eu sou é excessivamente cumpridora de regras, não é fugir às responsabilidades, não é sei lá mais o quê, mas o que é um facto é que eu não lido bem com coisas que me são impostas como uma obrigação. Principalmente quando é um aparelhómetro que me impõe essa obrigação.
   E agora, que fazer? Nada. Aproveitar o que resta deste dia, que não tarda nada é noite e serão cada vez menos a horas que faltarão até eu ouvir "Ráaadddiiioooo Comercial! Bom diaaaaa. E agora as notícias das 7...".  

 

 

Afinal, nem tudo é mau

 

 

   Esta semana iniciei um novo horário de trabalho, que implica entrar uma hora mais cedo. Claro que eu barafustei e amaldiçoei quem teve a ideia de me obrigar a saltar da cama uma hora mais cedo, principalmente quando aqui em casa toda a gente ainda dorme. Ao fim do primeiro dia de novo horário tenho de admitir que vi a coisa apenas pelo lado menos positivo para mim, ignorando o facto de que se entro uma hora mais cedo, também saio uma hora mais cedo e isso sim é uma maravilha. Por isso admito que hoje me soube tãaaooo bem conduzir para casa uma hora mais cedo que o habitual, com este tempinho que só nos puxa para o conforto do lar. E admito que amanhã me vai saber tão bem conduzir para casa uma hora mais cedo porque me vai permitir ir uma hora mais cedo para o ginásio e isso significa mais uma aula de step local a juntar aos abdominais e ao zumba. E também admito que depois de amanhã e depois e depois me vai continuar a saber tão bem conduzir para casa uma hora mais cedo com os tais 30º que toda a gente anuncia. É que parecendo que não, uma hora mais cedo, faz toda a diferença (e então no trânsito nem se fala!).