Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

A geração Chutos e Pontapés

 

   Miúdo de 13 anos. Mais uma vítima de violência física e verbal por parte dos colegas da escola. Os motivos existem apenas nas cabeças dos agressores, e por isso, achavam-no o alvo perfeito. Era magro demais para a idade, pequeno demais, com a voz demasiado aguda para um rapazinho de 13 anos e o cabelo demasiado escasso. Demasiado doente...13 anos, infindáveis sessões de quimio e radioterapia assombraram-lhe a infância. Um tumor cerebral tornou-se o "bicho mau" desde os primeiros anos de vida. Um tumor cerebral despoletou toda uma série de palavras e actos que atingiram este miúdo com a força devastadora de uma tempestada interior. Á dor física juntou-se a dor emocional e o medo, e mais uma batalha precisava de ser vencida. Mais uma vez saiu vencedor. 

   Não é caso único. A violência praticada por crianças e jovens a outras crianças e jovens é cada vez mais significativa e preocupante. Surgem nas fases cruciais de desenvolvimento e formação de um ser e podem deixar marcas profundas. Há que intervir o mais precocemente possível. Há que denunciar, estar atento, detectar. E há que ajudar estas crianças - os bons e os maus, porque os dois precisam rapidamente de ajuda.