Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Porque há coisas que não vêm nos livros

 

 

   A minha ainda verde experiência na área da psicologia levanta-me muitas vezes a questão: Como é que se ensina o ser humano a compreender e ajudar outro ser humano? Será uma licenciatura capaz de o fazer?

Lembro-me que quando acabei a minha licenciatura e fui estagiar, pensava diariamente: eu não sei como fazer isso; e agora o que é que eu faço; e agora o que é que eu digo?

   Quando fiz a minha primeira consulta, não dormi na véspera. Não sabia o que fazer, mal sabia como começar a dita. E o motivo era simples: nunca, durante toda a minha formação, tinha assistido ou simulado uma consulta.

Hoje ainda dou por mim a pensar: como é que eu sei que estou a ajudar aquela pessoa? Como é que eu sei que estou a proceder da melhor forma? A resposta é sempre a mesma: não sei. Não sei e nunca saberei. Mesmo que conte com 20 anos de carreira. Com a experiência vamos adquirindo certas ferramentas que nos ensinam o caminho, mas o sentimento de que a faculdade falhou nunca nos abandona. No entanto, a prática vai-nos mostrando que estas coisas não se ensinam. Estou numa daquelas profissões em que a vocação é talvez o mais importante. Podemos saber imenso de psicologia, mas se não tivermos dentro de nós “aquele bichinho”, o mesmo que é preciso para tantas outras profissões, aquele que nos inclina naturalmente para algo, que nos dá as respostas mesmo antes de terminarmos as perguntas, nunca seremos uns bons profissionais.

   Como é que se ensina um ser humano a compreender e ajudar outro ser humano? Não se ensina. Nasce connosco e está para além dos livros.

1 comentário

Comentar post