Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Há mais vida nas ruas

   Arranca hoje a festa da minha freguesia, que sendo uma das maiores freguesias do concelho tem também, nos últimos anos, uma das maiores festas.

   Eu não gosto de festas e romarias, muito menos do espírito popular da coisa. Quando era pequena, não falhava uma festinha aqui pela zona, mas o que eu queria mesmo era andar nos carróseis. Com a idade perdi esse gosto todo e agora não me apanham em festas da terrinha. O espírito popular não é de todo compatível com a minha personalidade e não consigo parar 2 minutos que sejam a ouvir um qualquer cantar popular (aka pimba!).

   Mas isto sou eu e uma coisa é inegável. Estas festas trazem vida às freguesias. Durante toda a semana tenho acompanhado o preparar de toda a decoração nas ruas, a avenida principal foi-se enchendo de barracas e rulotes, os carróseis foram chegando e à noite já sei que estará tudo orgulhosamente iluminado. É tudo isto que tira as pessoas das suas casas e da estupidez dos serões atrás de serões a verem telenovelas para as ruas, o convívio, a troca de palavras, a cervejinha e a fartura. E isto é óptimo, para as pessoas e para as terras. Eu moro numa das principais ruas da freguesia e uma das principais ruas de acesso à festa e gosto de ver as pessoas passarem para se dirigirem à festa, que ocupa agora toda uma avenida (acreditem que grande, porque eu faço-a a correr e transpiro bem!). Nem me importo de as ouvir falar alto quando eu já estou quase quase a adormecer. É que sabe tão bem saber que há mais vida nas ruas...