Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Quem já não sentiu isto?

  

   "Como se sentiria, pergunta-me o psicoterapeuta no nosso primeiro encontro, se toda a ansiedade que carrega consigo desaparecesse?

    Os quatro minutos seguintes foram passados em silêncio enquanto ele, pacientemente, esperava a minha resposta. Pesquisei no meu eu interior (que é o mais indicado a fazer nestas situações) para encontrar a resposta: sozinha, era assim que me sentiria. Sozinha.

    Aquilo que me levou a procurar um terapeuta foi, em primeiro lugar, o desejo de me livrar da ansiedade. Desde que me conheço que sou uma pessoa stressada. Esse nervosismo está presente em todos os momentos do meu dia. Se o meu gato não me acorda logo pela manhã, assumo automaticamente que deve ter morrido atropelado durante a noite. Não desfruto do almoço porque me lembro das calorias que ingeri ao pequeno-almoço e, logo de seguida, vêm-me à cabeça as doenças fatais provocadas por uma alimentação deficiente. Quando vou a pé para casa à noite, não consigo deixar de pensar que posso ser assaltada na próxima esquina por um miúdo com idade para ser meu filho.

   (...)

  Mas será que pensei nas consequências de, de repente, deixar de me preocupar com tudo? É que, por estranho que pareça, a ansiedade cuida de mim. Ajuda-me a estar sempre alerta. É verdade que é muito cansativo viver com ela, mas também é ela que faz de mim a pessoa que sou: cuidadosa, perfeccionista, preocupada, atenta."

excerto do artigo «O prazer de mudar», publicado na revista Elle de Janeiro 2013

1 comentário

Comentar post