Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Histórias com gente dentro (que acabam)

   A Sra. M. foi ontem ao hospital. Foi muito abaixo, não se sentia bem, aparentemente nada de grave, para além dos habituais males da gente velha (termo que para mim é sempre carinhoso). De lá veio, com um diagnóstico de conjuntivite e inícios de anemia. Hoje de manhã, como sempre o faz, a sua filha ligou-lhe para saber como estava, se tinha passado bem a noite...a Sra. M. estava-se já a aprontar para ir para aguardar pela carrinha que a ia transportar para o um dos nossos centros de dia.

   Fomos buscá-la à hora do costume e a Sra. M. não estava à porta à espera, como sempre faz. Batemos à porta, ninguém abriu. Ligamos à filha que nos disse que ainda há pouco tinha falado com ela e que com certeza a mãe não tinha ouvido bater. Receamos logo que a senhora tivesse caído em casa, Usamos a "chave de emergência" e de facto a Sra. M. estava caída no chão da cozinha...morta.

   Saber da morte de um dos nossos idosos abala-me sempre um bocadinho. Ver um dos nossos idosos morto no chão da própria casa é uma daquelas experiências que nos parte por dentro, apesar de todas as ferramentas de racionalização que poderemos usar para encarar aquela situação como trabalho. E por mais treino que se tenha, por mais que se tente encarar a situação de outra forma que não a que o coração nos dita, é uma vida que se acaba e que nós vemos ali acabada, no chão de uma cozinha de uma casa que sempre foi o seu lar. E, mais uma vez, no final, alguém esteve completamente só.

   É impossível ver a vida da mesma maneira quando nos deparamos com situações destas.

1 comentário

Comentar post