Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Aceitar

 

   Aceitar é receber. Quando aceitamos as condições já desapareceram, não se aceita em troca de algo. Aceita-se o que se é ou quem se é e sempre tal como se é.

   A aceitação é uma atitude perante a vida que enriquece as nossasa experiências, porquenos permite atravessá-las com a mente e o coração abertos, deixando espaço para o novo, para o diferente. Aceitar amplia os nossos horizontes mentais porque nos ensina a aceitar as nossas ideias antigas, os nossos propósitos pré-concebidos, para assim nos encontrar-mos com outras possibilidades, desenvolvendo-as.

   Aprender a aceitar é aprender algo fundamental: nem o mundo, nem as circunstâncias, nem as pessoas, estão feitas à imagem e semelhança dos nossos desejos, das nossas necessidades ou das nossas pretensões. Aceitar ensina-nos a reconhecer que somos seres humanos e não deuses; que, a cada passo que damos, novas possibilidades e cenários nos são oferecidos.

   A aceitação ajuda-nos a perceber as imperfeições, o incompleto, como uma possibilidade permanente de aprendizagem e, consequentemente, de crescimento. E, o mais importante talvez seja que, aceitar e aceitar-mo-nos dá-nos a oportunidade de sermos felizes num mundo imperfeito. Este mundo em que vivemos e no qual nos amamos, nos vinculamos e criamos, imperfeitamente, tudo aquilo que somos.

   Afinal, a felicidade não é uma "poça no caminho", mas sim, uma forma de caminhar pela vida. Aceitando-a. Aceitando-nos.