Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Em (há) dias assim...

«Em dias assim não me salvo nem sou boa companhia. Gosto de saber que os amigos estão longe, que os inimigos não me encontram, e que nem uns nem outros me virão reclamar as provas da amizade e do ódio que são a moeda do nosso comércio. E se alguma coisa desejo realmente nestas ocasiões, é encontrar as palavras mínimas, brevíssimas, as onomatopeias, se possível, que me expliquem o mundo desde o começo.»

José Saramago, "A Bagagem do Viajante"

____________________________________________________________

   Há dias assim. Eu tenho muitos dias assim. Ou melhor, muitos finais de dia assim. E em dias assim não aptece nada nem ninguém, porque nada nem ninguém nos basta para eliminar aquele estranho vazio, ou peso, nem sei, que nos possui e nos deixa exaustos de tudo, até de nós. Tudo é suficiente para nos perturbar e produzir a mais simples das palavras parece uma batalha sobrehumana que não estamos capazes de travar nesse momento. Deixamos de falar, para nos expressarmos sobre a forma de grunhos e deixamos até de pensar, vivendo momentaneamente em modo piloto automático e, de preferência, em silêncio e sós. Porque são o silêncio e a solidão que, nesses dias, nos curam.

   Há dias assim...

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.