Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

LER: Romain Puértolas

IMG_4341.JPG

 

O primeiro livro de Romain Puértolas que li, em 2015 (!!!) foi precisamente aquele que agora chegou aos cinemas: a incrível viagem do faquir que ficou fechado num armário do IKEA. Nunca tinha ouvido falar deste escritor, que na verdade não é nada falado no nosso país, mas o título do livro captou a minha curiosidade (quantos livros não compramos só porque o título ou a capa nos tocam de alguma forma?). Foi um livro que simplesmente adorei. Do princípio ao fim um registo de comicidade inteligente absolutamente deliciosa que torna um livro leve mas viciante. Lembro-me de ter recomendado este livro a uma data de pessoas e de que uns tempos mais tarde, na feira do livro do Porto, num balcão que o vendia, uma Sra pegava nele e comentava "olha que título engraçado. Será bom?" E eu não ter controlado um "leve, é muito giro, muito bom mesmo".

Na altura não havia por cá mais nada editado deste escritor, mas no verão do ano passado eis que chega o Re-viva o imperador, com uma capa mais uma vez super apelativa e novamente um livro carregado de humor inteligente e igualmente delicioso, numa história de um Nápoleão descongelado e regressado à Franca atual.

Eis que recentemente soube da existência deste terceiro livro do escritor editado em Portugal. Num registo completamente diferente dos dois anteriores, esta menina que engoliu uma nuvem do tamanho da torre Eiffel é ternura do princípio ao fim. O humor continua presente, o toque de "isto é ridículo mas se fosse verdade era engraçado" característico dos dois anteriores livros também lá está, mas este livro é sobretudo uma história de amor sem fronteiras, uma espécie de conto de fadas cheio de esperança e capacidade de sonhar.

Isto tudo para vos dizer que Romain Puértolas tem de fazer parte da vossa biblioteca. Isto para vos pedir que leiam Romain Puértolas. Agora que um dos seus livros foi adaptado ao cinema decerto que mais facilmente encontraremos os seus livros à venda, mas Puértolas merece ser lido muito antes de se tornar filme (até porque tenho a certeza que o livro é mil vezes superior!), porque é um escritor que nos sabe pôr a rir com palavras, sem esquecer de nos deixar um toquezinho de moral da história no final de cada um dos seus livros. 

Sei que existe um quarto livro deste escritor, mais recente, cujo título original é "Tout un eté sans facebook" e mal posso esperar por o ver traduzido para português! 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.