Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

«O Paraíso segundo Lars D.», João Tordo

1507-1 (1).jpg

Numa manhã de Inverno, Lars sai de casa e encontra uma jovem a dormir no seu carro. Ele é um escritor sexagenário e, poucas horas mais tarde, parte em viagem com a jovem deixando para trás um casamento de uma vida inteira e um romance inédito: O luto de Elias Gro.

___________________________________________________________

Não gostei de "O luto de Elias Gro". Eu sei que é João Tordo e que isso só por si é garantia de bons livros e boa escrita, mas não gostei. Demasiado descritivo, demasiado depressivo, demasiado melancólico. Há quem o tenha considerado o melhor livro de João Tordo, mas para mim anda bem próximo do contrário (e nada supera "A Biografia involuntária dos amantes").

Quando este "Paraíso" saiu, e escaldada pelo livro anterior, fiz-lhe uma careta e resisti meses e meses a comprá-lo. Há pouco tempo, num impulso, decidi-me. E que bem que fiz. Devorei-o! 

No estilo do anterior, sim, mas este pareceu-me mais leve. A história entra-nos facilmente e isso é tudo que faz um livro de sucesso e um livro que nos apetece ler, com gosto. Este sim, é um João Tordo que vale a pena ler! 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.