Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Destino

«Destino pode ser vida, acaso, percurso, resultado, inesperado, previsível, tudo isto ou nada. Destino é sinónimo de História. História constrói-se, é fruto do homem, resulta dele, é traçada por ele. Com influência do meio, da sorte, do azar, de percalços e de somatórios. Mas não está escritaà anteriori. Escreve-se à medida que se vive, e só se escreve o que se vive. Destino não pode, pois, ser algo que já foi escrito. (...)

Destino é uma palavra. Tudo é destino. Pelo caminho da direita ou da esquerda, a escolha que fizermos será o destino. Não há que falhar. É uma ideia confortável e fácil. Acreditar no destino é uma fraqueza humana. Das mais primárias e arcaicas. O nosso percurso resulta do nosso destino. Com certeza, porque não? Mas se é "nosso" então podemos "ajudá-lo"...».

in "A cruz de Génio", de Sérgio Lorré