Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

A vida com histórias de final feliz

 

   Gosto de uma boa história. Seja ela de um livro, de um filme, de uma série ou até mesmo de uma telenovela (quem não dá uma espreitadela numa ou outra? Confesso que o faço mais para uma análise do guarda-roupa e outras para análise do comportamento humano, já que muita boa gente tende a tomá-las como modelo de comporamento). Gosto de me deixar envolver, de conhecer as personagens, de ver o evoluir da história, de imaginar o que se passará a seguir e qual será o final. Mas não gosto de estar a viver o meio da história e começar a perceber imediatamente o final que ela terá. Tira-lhe a magia do inesperado. Pior que isto é constantar que esses finais são sempre, ou quase (quase) sempre, finais felizes. É o típico "tudo está bem quando acaba bem". Os maus da fita são castigados e os bons da fita ganham o prémio do felizes para sempre. E depois há a questão dos casaizinhos...podem ter passado por mil e uma adeversidades, podem ser os seres mais incompatíveis do mundo, podem até padecer de doenças gravíssimas de cura quase impossível, mas uma qualquer força superior junta-os sempre no final, com direito a casamento de sonho e quartinho de criança para decorar.

   Não menosprezando estas histórias, questiono-me onde reside a realidade em todas elas? A vida não é um conto de fadas com um inevitável final feliz. Na vida nem sempre o provérbio "Depois da tempestade vem a bonança" ocorre. Na vida real, nem sempre o bem triunfa, as doenças nem sempre se curam milagrosamente, o amor nem sempre vence. Na vida de todos os dias, inesperado e imprevisível são os adjectivos que melhor a qualificam. E é isso que a torna tão fascinante de viver e tão intensa.

   As histórias com final feliz alimentam-nos os sonhos e é por lá que devem ficar. Nos sonhos. Nos sonhos que nos fazem sonhar com a cabeça nas nuvens...mas os pés bem assentes na terra.