Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

«A Bagagem do Viajante», José Saramago

 

«Um conjunto de crónicas de José Saramago, publicadas pela primeira vez no vespertino ""A Capital"" (1969) e no mítico ""Jornal do Fundão"" (1971-1972). Uma escrita fluida para falar de ""foguetes e lágrimas"" ou de ""o melhor amigo do homem"". E de ""quando morri virado ao mar"". Para nos contar o seu gosto pelos museus e as pedras velhas. Para nos dizer que ""não há nada mais vivo do que a aguarela de Albrecht Durer"". Para responder que: ""Se alguém me perguntar o que é o tempo, declaro logo a minha ignorância: não sei. ""São mais de 60 crónicas, pequenas histórias sobre temas variados e, na aparência, inocentes, já que a censura vigente não permitia grandes atrevimentos. Ainda que por entre as subtilezas de linguagem se possam encontrar alguma farpas.

_______________________________________________

   De quando em vez lá vou encontrando um ou outro livro de Saramago que ainda não tinha cá por casa e é sempre uma delícia lê-los, até já me restam muito poucos por ler (provalvemente só os de crónicas e as peças de teatro).

   Este é um conjunto de crónicas, ou pequenas histórias, contadas pelas mãos do nosso Nobel. Algumas mais agradáveis de se ler que outras, mas sempre com o cunho de Saramgo que é, logo à partida, garantia de literatura de qualidade.