Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Passadiços do Paiva

DSC09332.JPG

DSC09333.JPG

DSC09343.JPG

DSC09347.JPG

DSC09350.JPG

DSC09351.JPG

DSC09353.JPG

DSC09356.JPG

DSC09357.JPG

DSC09358.JPG

DSC09360.JPG

DSC09361.JPG

DSC09362.JPG

DSC09364.JPG

DSC09372.JPG

 Adoro natureza e adoro conhecer o nosso país, por isso assim que ouvi falar dos Passadiços do Paiva e procurei informação sobre isto decidi que rapidamente tinha de os conhecer e palminhar. Basicamente, temos um percurso de 8km - percurso apenas numa direcção - junto às margens do rio Paiva, a maioria dele em passadiços de madeira, mas também em caminhos de terra batida. É um percurso com altos e baixos, com picos de subidas (e consequentemente de descidas), nomeadamente em escadas que nunca mais acabam - diz que são mais de 600 - e uma parte com uma simpática subida em terra batida que também dá que suar. Não se trata, portanto, de um mero passeio na natureza. Se querem fazer o percurso completo de ida e volta, preparem-se para suar e sentir bem as vossas perninhas; são mais de 16km e não contem com grandes planícies.

Se vale a pena? Vale. Pela experiência e pelas paisagens.
Custa muito? Para quem não tem preparação física acredito que custe muito. Como disse, subir todas aquelas escadas e caminhos de terra não é fácil.
Não se justifica fazer só metade do percurso ou apenas num sentido. Se é para fazer, é ir e vir até ao fim - pesar de nos últimos 2/3 km já estarmos ansiosos para que acabe, porque as pernas começam a ressentir-se e nunca mais avistamos o carro!
Conselhos simples: muita água para hidratarem. Roupa e calçado confortáveis para caminhar muito. Comidinha para repôr as energias, de preferência fruta e umas bolachinhas saudáveis para dar açucar ao corpo (pelo menos eu senti essa necessidade). Máquina fotográfica. E não arrisquem fazê-lo num dia de céu azul e temperaturas elevadas pois tem zonas de grande exposição ao sol e ao calor; ontem o dia estava cinzento e a temperatura não chegava aos 25 graus e deu bem para sentir o calor que por ali faz. Para quem se quiser refrescar existem duas praias pelo caminho, uma delas aos 4 km e outra no Areinho, ponto de partida ou chegada. 

Existem duas hipóteses ou direcções para o percurso: Espiunca - Areinho ou o contrário. Nós optámos pelo primeiro, por dizerem que seria a melhor opção para quem quer fazer ida e volta. Neste percurso a subida da escadaria mais dolorosa (os tais 600 degraus) é feita ao km 6, o que torna coisa mais fácil, pois se fizerem o percurso ao contrário a subida vai acontecer aos 14km, o que faz toda a diferença. Ainda assim, no retorno do Areinho para Espiunca, logo no primeiro km (9km para quem estava a regressar) há também muita escada para subir e uma parte de caminho térreo que é muito, muito má. 
Mas vale a pena. Acreditem que vale. São cerca de 3h a caminhar, a apreciar e a queimar calorias. Se puderem, experimentem!