Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Prioridades

   Aprender a discernir é diferenciar o que é importante daquilo que é acessório; é aprender a usar o nosso pensamento e o nosso sentido crítico e colocá-los ao serviço do que realmente queremos.

   Mas será que somos capazes de diferenciar com objectividade aquilo que é importante daquilo que não é? Provavelmente, não. Esta diferenciação é absolutamente subjectiva, já que depende dos nossos valores, que, por sua vez, reflectem a nossa visão particular do mundo. Assim, discernir é, antes de tudo o mais, conhecer e respeitar a nossa essência mais profunda e os nossos verdadeiros desejos, aqueles que nos fazem realmente felizes.

   Aprender a discernir é como estender a roupa: o estendal é limitado e se nos dedicamos a estender com todos os cuidados os lencóis ou as toalhas, não deixaremos o espaço suficiente para que as camisas, os vestidos e as calças possam secar devidamente.

   É necessário assumir uma premissa básica: não somos seres "todo poderosos". Assim que aceitarmos humildemente este facto, poderemos abarcar a realidade com a maior eficácia possível. É o célebre "divide e vencerás" de Júlio César. Pois, na vida, é necessário estabelecer prioridades, organizar e ser prático, mesmo nas questões mais dos limites espirituais e transcendentes.

   Questione-mo-nos então: Quais são as "peças de roupa" mais importantes na nossa vida? Quais aquelas que deveremos pôr a secar com maior dedicação? Quantas coisas não necessitamos verdadeiramente na realidade? E quais são esses aspectos que, se lhes prestassemos mais atenção, nos ajudarião a ser mais felizes?