Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

E acha que a conversa cura alguma coisa?

  

   Ele é marido de uma doente Bipolar, tardiamente diagnosticada. Eles correram uma enorme quantidade de psiquiatras da zona Norte, em busca de respostas para as suas dúvidas e de qualidade de vida para a mulher. Num desses consultórios o marido sugere:

- "A minha esposa não deveria ser também acompanhada por um psicólogo, que lhe ajudasse a enfrentar o problema?"

   Ao que o excelentíssimo senhor doutor psiquiatra (está em letra minúscula propositadamente) responde, entre uma receita e outra:

- "E acha que a conversa cura alguma coisa?"

(subiu-me literalmente todo o sangue à cabeça)

   Ironicamente, foi um Psicólogo a primeira pessoa a explicar ao senhor que a esposa era doente Bipolar, a esclarecer-lhe todas as dúvidas, a ajudá-lo a lidar com a situação e a indicar-lhe a existência de uma associação de doentes bipolares.

 

   Sim. Atingiu o meu ego de psicóloga. Julguei que em pleno século XXI não existiam fundamentalismos como o acima referido, ainda para mais vindo de um "colega" que de profissional de saúde mental só deve ter mesmo o diploma.

   Não. A medicação não é a solução (embora fundamental em nuitos casos), muito menos a cura.

   E SIM! A "conversa" cura (os bons profissionais sabe disso...)