Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

1001 pequenos nadas...

...que são tudo, ou apenas esboços da essência de uma vida entre as gentes e as coisas, captados pelo olhar e pela mente livre, curiosa e contemplativa. Por tudo isto e tudo o resto: É PROIBIDA A ENTRADA A QUEM NÃO ANDAR ESPANTADO DE EXISTIR

Memórias de um domingo de manhã

image.jpeg

 

Se há coisa de que recorrentemente me lembro da minha infância são as manhãs de fim-de-semana. Ansiava por elas toda a semana (tal como agora, é verdade). As rotinas repetiam-se sem cansar com aquela intensidade e inocência que hoje deixam saudades e eram simples mas plenas de significado: acordava sempre cedo, levantava-me o mais silenciosamente possível, ia à cozinha ao armário das bolachas, enchia um copo de leite e corria para a sala, onde me instalava no sofá a ver desenhos animados (no tempo em que os desenhos animados eram realmente desenhos animados infantis e cheios de cor e histórias para contar). Quase sempre havia a companhia de um gato, porque sempre me recordo de ter crescido com um gato e sempre preto. E era eu, uma manhã de fim-de-semana em que todos ainda dormiam, o gato, as bolachas, as migalhas no sofá (sim, havia sermão da mãe depois por causa das migalhas), a caneca de leite (mais tarde, foi substituída por uma taça de cereais Estrelitas) e muita vontade de ser criança feliz. Hoje, Domingo de manhã, estas recordações invadiram-me. Tal como é habitual acordei demasiado cedo para um Domingo (e as muitas dores de pernas dos 15km de trail de ontem à noite pedem tudo menos cama). Levantei-me o mais silenciosamente possível e fui á cozinha. A idade e a racionalidade puseram de lado as bolachas e os cereais, é certo, mas tomei o meu pequeno almoço igualmente reconfortante e fui para o sofá. Liguei a televisão, o gato veio ter comigo e saltou-me para o colo. Na televisão, desenhos animados suficientemente infantis para me trazerem recordações boas. Lá fora chove, é Outono, é cinzento. Mas esta recordação, que não pude deixar de fotografar, encheu- me de cor. É isto que nos faz. É isto que nos faz. Bom domingo.